PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Professora fica em estado grave após cirurgia plástica

Cotidiano

23 de dezembro de 2021 11:11

Da Redação


Relacionadas

Balão com nove pessoas cai às margens de rodovia em SP

Homem é preso em PG acusado de tortura e estupro

Parcela do IPVA das placas de finais 1 e 2 vence hoje

Ciclone no Sul do Brasil pode se tornar um furacão? Entenda
Frio será intenso a partir desta terça-feira em PG
Taxa de desocupados no Paraná tem o menor valor desde 2015
Após três anos, polícia prende Paulo Cupertino em São Paulo
Roberta passou a noite seguinte à cirurgia reclamando de muitas dores na região abdominal Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Complicações causaram uma hemorragia e ela segue internada na UTI

Uma professora de 35 anos foi internada em estado grave em Balneário Camboriú, Santa Catarina, após ser submetida a uma cirurgia plástica em Tijucas. As informações são do G1.

Roberta Lopes dos Passos realizou uma abdominoplastia, uma mamoplastia e uma lipoaspiração abdominal no último dia 15. A professora, porém, sofreu uma hemorragia e precisou ser encaminhada à UTI horas após as cirurgias.

Ela hoje está com um problema no fígado, no rim e a pressão muito baixa. Ela está em coma induzido. Estamos à espera de um milagre", declarou o marido, Leandro Akajhdfud.

O rapaz explicou que Roberta passou a noite seguinte à cirurgia reclamando de muitas dores na região abdominal. A suspeita da família é de que algo tenha dado errado e o caso não tenha sido “visto a tempo”.

"Ela passou a noite inteira sentido muita dor e ninguém chegou para ver isso. [...] Quando minha sogra relatou ao cirurgião que a Roberta não estava bem, esse disse que não falaram pra ele", disse Leandro.

Quadro se agravou no dia seguinte

A mãe de Roberta, que acompanhou a filha nos procedimentos, relatou que a professora perguntava se a cinta que usava no abdômen estava muito apertada. Os médicos, porém, diziam que a dor era normal. Pela manhã, no entanto, o quadro da mulher se agravou.

"Minha sogra notou que ela estava tendo falência. E aí ela saiu berrando pelos corredores do hospital. Os médicos apareceram e levaram ela para o centro cirúrgico. Lá notaram a questão da hemorragia. Para realizar a transferência, por estar muito debilitada, ela teve que receber bolsas de sangue", contou Leandro.

O marido reclamou, ainda, de informações desencontradas recebidas após a cirurgia. Agora, ele e a família estudam o caso com um advogado para entender se houve negligência, omissão ou falha médica. “A gente só quer justiça.”

Informações - Yahoo

PUBLICIDADE

Recomendados