PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Reunião avalia ações de combate à covid e gripe no PR

Cotidiano

07 de janeiro de 2022 13:28

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Portos do PR devem receber aportes de cerca de R$ 2,3 bi

Secovi Paraná empossa a diretoria da gestão 2022/2026

Aéreas podem retomar serviço de bordo a partir deste domingo

Bolão do PR acerta a quina da Mega-Sena e leva R$ 220 mil
Chega ao fim estado de emergência em saúde pela covid
Missão uruguaia prospecta investimentos no Paraná
Ratinho Jr. participa da ‘Marcha para Jesus’ com Bolsonaro
Foto: SESA
PUBLICIDADE

Encontro do Centro de Operações de Emergências (COE) da Sesa discutiu questões referentes ao enfrentamento da pandemia da Covid-19, o aumento de casos de Influenza H3N2 e outras pautas que impactam a saúde pública.

O Centro de Operações de Emergências (COE) em Saúde Pública da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) realizou sua primeira reunião do ano nesta quinta-feira (06), de maneira virtual, para debater questões e estratégias sobre o enfrentamento da pandemia da Covid-19, o aumento de casos de Influenza H3N2 e outras pautas que impactam a saúde pública.

Sob a coordenação da diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes, o encontro buscou alinhar a recomendação de ações a partir de informes que trouxeram dados acerca da pandemia, influenza, projeções futuras e assuntos de relevância.

“Essa reunião é de suma importância para alinharmos nossas ações e reforçarmos estratégias para tratar de maneira eficiente não apenas da pandemia, mas de todas as pautas emergentes deste início de ano”, observou Goretti.

Dentre os números apresentados, houve destaque para o alto índice de vacinação contra a Covid-19 no Paraná. Segundo a coordenadora de Imunização da Sesa, Vera Rita da Maia, isso reflete o empenho acertado do Estado no combate à pandemia.

“A vacinação contra a Covid-19 apresenta números animadores. Quando comparamos o número de doses encaminhadas aos municípios, o que se nota é uma cobertura de 96% de vacinação da população geral com a primeira dose e de 84% com a segunda. Além disso, também acreditamos que com a atualização dos dados dos municípios devemos chegar a cerca de 90% da vacinação no Estado” afirmou.

A baixa adesão da população à vacinação da gripe também esteve na pauta. Com uma taxa inferior a outros anos, os índices revelam a importância de um esforço coletivo para expandir as taxas de cobertura vacinal.

“No geral, os números da imunização apresentam uma nítida queda se comparados a anos anteriores. Mesmo dentro da média nacional, o Paraná vacinou, em 2021, uma taxa de 70% da população. Por isso, é preciso reforçar que a vacina é indispensável para impedir a disseminação do vírus. Todas as Regionais de Saúde se encontram abastecidas e seu uso segue como prioridade. Além disso, descentralizamos 380 mil unidades de Tamiflu, recurso terapêutico de maior impacto na redução da gravidade da Influenza”, destacou Vera.

Outra situação abordada foi o aumento de casos de gripe por H3N2. De acordo com dados da Sesa divulgados nesta quinta, o Estado soma 375 confirmações e quatro mortes pela doença, que é considerada um tipo do vírus Influenza A (H3). A ascensão dos casos tem preocupado a população, o que levou a Sesa a emitir um alerta sobre a circulação do vírus no Paraná. Para Goretti, a disseminação da informação é fundamental para combater a expansão da Influenza.

“Essa nota veio a partir de uma deliberação da Comissão Intergestores Bipartire (CIB/PR), que transformamos em documento de alerta para facilitar o acesso e a divulgação para a população. Além das orientações aos serviços de Saúde, ela também contém informações valiosas para a população, como precauções contra o vírus. Por isso, peço às lideranças aqui presentes que nos ajudem a divulgar essa mensagem”, disse.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, enfatizou a importância da reunião do COE para traçar o planejamento de ações da saúde em toda a esfera estadual.

“São informações relevantes que orientam o funcionamento e estratégias para a saúde, com foco na proteção de todos os paranaenses. Desde sua ativação em 2020, a atuação do COE tem se mostrado fundamental não somente no combate à pandemia da Covid-19, mas também na ocorrência da dengue, febre amarela e agora para a Influenza”, reforçou.

PUBLICIDADE

Recomendados