PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Deppen revela que 150 presos não retornaram após 'saidinha'

Cotidiano

17 de janeiro de 2022 11:14

Da Redação


Relacionadas

Mulher deixa cartaz com recado no carro do ex-marido no Pará

Após comprar Twitter, Elon Musk visita Bolsonaro hoje

Última parcela do IPVA das placas 7 e 8 vence nesta sexta

Morte de padre da Comunidade Canção Nova gera comoção
'Falsa grávida' é presa com carga de maconha na barriga
Brasil registra 115 mortes por Covid e mais de 10 mil casos
Policiais envolvidos com milícia são alvo de Operação
Em Ponta Grossa, dos 63 presos custodiados na unidade da Lapa, três não retornaram após a 'saída de fim de ano'. Foto: Divulgação/Deppen
PUBLICIDADE

Em Ponta Grossa, dos 63 presos custodiados na unidade da Lapa, três não retornaram após a 'saída de fim de ano'

Dos 1.196 presos que efetivamente receberam a autorização da justiça para passar as festas de fim de ano com as suas famílias, com o benefício das saídas temporárias, 1.046 retornaram às penitenciárias nas datas previstas. O último grupo retornou no dia 10 de janeiro conforme a previsão, que determinava horários e locais. Esta ação ocorreu em Curitiba, Maringá, Londrina e Ponta Grossa e o benefício é concedido anualmente pelo judiciário a presos que cumprem pena em regime semiaberto.

O balanço é do Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen) e foi divulgado na última sexta-feira (14). Segundo o Deppen, os presos que não retornam no prazo passam a ser considerados foragidos e podem regredir de regime. “Nesses casos, as unidades comunicam ao juiz responsável para que seja expedido um novo mandado de prisão”, relata o vice-diretor do Depen, Luiz Francisco da Silveira.

“Para ter o direito à saída temporária, a pessoa privada de liberdade precisa cumprir uma série de requisitos definidos em lei que são avaliados pela juiz que acompanha a execução da pena. É um benefício exclusivo aos presos que cumprem pena em regime semiaberto e apresentam condições para sair em liberdade por um tempo determinado”, explica o vice-diretor.

Segundo o Deppen, a evasão de alguns presos é considerada normal e dentro da média anual registrada nos últimos anos em todo o país. Ao todo, 150 presos não retornaram ao sistema prisional. O número refere-se a 12,5% de evasão.

Presos por região

CURITIBA – Na região da capital, 611 presos que cumprem pena na Colônia Penal Agroindustrial (CPAI), em Piraquara, foram efetivamente beneficiados com a saída temporária. Divididos em três grupos, as saídas ocorreram no dia 22, 24 e 28 de dezembro. O retorno estava previsto para datas distintas, sendo que o último grupo precisaria voltar até 10 de janeiro. Houve o retorno de 493 presos, ou seja, 118 presos ficaram evadidos.

MARINGÁ – Em Maringá, 211 presos custodiados na Colônia Penal Industrial de Maringá (CPIM), deixaram a unidade penal em dois grupos, destes 197 retornaram à penitenciária e 14 presos apresentaram evasão. As saídas estavam previstas para os dias 21 e 30 de dezembro e o retorno para o último grupo seria em 5 de janeiro.

LONDRINA – Na Região de Londrina, 311 presos tinham o benefício de deixar o Centro de Reintegração Social de Londrina (CRESLON). O retorno foi de 296 presos, com evasão de 15. Na unidade prisional as saídas estavam previstas para os dias 20 e 27 de dezembro, com retorno em 27 de dezembro e 5 de janeiro, respectivamente.

PONTA GROSSA – Na região de Ponta Grossa foram beneficiados com a saída temporária um total de 63 presos, que estão custodiados na unidade da Lapa. Eles saíram em dois grupos, nos dias 22 e 29 de dezembro, e apenas três deles não retornaram. O retorno estava previsto para os dias 29 de dezembro e 5 de janeiro.

Com informações: RIC Mais.

PUBLICIDADE

Recomendados