PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Vítima da tragédia em Capitólio pede doações para ajudar piloto

Cotidiano

20 de janeiro de 2022 10:12

Da Redação


Relacionadas

Pastor apontado como líder de rede de pedofilia é preso no PR

Paranaenses de quatro cidades acertam na Mega-Sena

PRF triplica número de agentes em Foz do Iguaçu

Homens armados assaltam agência bancária no Paraná
Balão com nove pessoas cai às margens de rodovia em SP
Homem é preso em PG acusado de tortura e estupro
Parcela do IPVA das placas de finais 1 e 2 vence hoje
A sobrevivente quer ajudar o piloto da lancha que ela estava com a família a comprar uma nova embarcação. Foto: Corpo de Bombeiros de Minas Gerais/Handout via REUTERS
PUBLICIDADE

A sobrevivente quer ajudar o piloto da lancha que ela estava com a família a comprar uma nova embarcação

Uma das vítimas que sobreviveram à queda do paredão em Capitólio, Minas Gerais, organizou uma “vaquinha” para arrecadar dinheiro para que o piloto da lancha em que estava com a família possa comprar uma nova embarcação.

A fotógrafa de Belo Horizonte, Ana Costra, de 49 anos, se solidarizou com o piloto ao descobrir que uma nova lancha custa em torno de R$ 400 mil. Sem a embarcação, Guilherme Rodrigues de Oliveira, de 30 anos, perdeu sua única fonte de renda.

"Ficamos muito preocupados com a situação dele, que ainda não tinha terminado de pagar a lancha e não tinha seguro também. Nós estamos bem e vivos, agora é ajudar. Fiquei pensando como ele ia continuar a vida dele? Foi daí que tivemos a ideia", afirmou Ana ao portal G1.

"O que a gente conseguir arrecadar é lucro, vai ajudar demais ele a se reerguer. Nosso sentimento é de gratidão pela vida, agora é olhar para o próximo", disse a fotógrafa, que teve um dos braços quebrados e escoriações pelo corpo após o acidente.

O piloto disse ao portal que ficou surpreso ao saber da iniciativa da fotógrafa. "Apesar de estarem se recuperando, eles se sensibilizaram com a minha situação. Fiquei muito surpreso, muito feliz, estou sem acreditar até agora. No mundo de hoje, muita gente não olha pro próximo e eles estão empenhados em me ajudar", disse.

"Para mim já deu tudo certo: o que eu tinha de mais valioso na lancha eram as vidas que foram salvas, os passageiros, o marinheiro. O resto a gente corre atrás, mas estou feliz com tudo o que eles estão fazendo por mim", declarou.

O desabamento de um paredão de pedra no Lago de Furnas deixou dez pessoas mortas e outras 27 feridas no dia 8 de janeiro, segundo o Corpo de Bombeiros.

As causas do acidente ainda estão sendo investigadas pelo Ministério Público, que avalia a sinalização, mapeamento e fiscalização do local.

Com informações: Yahoo!Notícias.

PUBLICIDADE

Recomendados