PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Estiagem deve pressionar inflação de alimentos em 2022

Cotidiano

22 de janeiro de 2022 15:50

Da Redação


Relacionadas

Morte de animais com mordidas no pescoço intriga moradores

Ministro quer acordo para suspender reajuste da luz

Homem é encontrado morto e PM suspeita de hipotermia

PR atrai R$ 120 bi em investimentos privados
Agentes da PRF são mortos a tiros durante abordagem
Peladão invade choperia, bebe, come e foge no Distrito Federal
Nove óbitos por dengue são registrados no PR
Seca no Sul do país gerou perdas em lavouras de soja e milho, elevando preços dos grãos, que são ração para aves. Com isso, valor do frango pode subir mais Foto: Reprodução/RBS TV
PUBLICIDADE

Seca no Sul do país gerou perdas em lavouras de soja e milho, elevando preços dos grãos, que são ração para aves. Com isso, valor do frango pode subir mais

A seca no Sul do país e o excesso de chuvas em partes do Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste geraram perdas na produção agropecuária, estão aumentando os custos no campo e devem pressionar a inflação dos alimentos ao consumidor neste ano. Os problemas climáticos se estendem desde o fim do ano passado, como resultado do fenômeno La Niña que, em resumo, provoca chuvas fortes no Norte e Nordeste do Brasil e estiagem no Sul.

Por causa desses choques, municípios do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Goiás e Tocantins, por exemplo, chegaram a declarar situação de emergência.


Alguns dos principais impactos, por enquanto, estão nos seguintes grupos de alimentos:


Milho e soja: a falta de chuva prejudicou o desenvolvimento das plantas, gerando perdas em lavouras do Sul e de parte do Centro-Oeste. Essa situação vem pressionado os preços dos grãos, que já tiveram altas no ano passado por causa da seca.

Frango: o milho e o farelo de soja compõem a ração das aves e, com alta no valor dos grãos, os custos do setor estão aumentando. O preço do frango já subiu em 2021 por causa desse motivo e, segundo produtores, os custos atuais podem ser repassados ao consumidor nos próximos meses.

Feijão: a seca provocou queda na produção de lavouras do Paraná, principal produtor do grão no país. Com isso, houve aumento do valor da saca no atacado, que também pode se refletir no varejo. As chuvas também geraram perdas no interior de Minas Gerais e Bahia, segundo a associação do setor.

Arroz: apesar de impactos pontuais no Rio Grande do Sul, onde há a maior produção de arroz no, ainda não há estimativas oficiais de quebra de safra por causa da seca e nem de aumento de preços. A qualidade do cereal, porém, pode cair.

Leite: a falta de chuvas está prejudicando a qualidade das pastagens e aumentou os gastos com a ração das vacas. Por outro lado, produtores estão com dificuldades de repassar custos para o consumidor, pois queda no poder de compra do brasileiro reduziu a demanda por lácteos.

Carne bovina: a seca está atrasando a engorda a pasto no Sul e sustentando as cotações do boi em patamares elevados no campo. Por outro lado, especialistas dizem que é provável que esses custos não cheguem ao consumidor, pois o varejo não consegue mais absorver altas no preço desta proteína, que disparou em 2020 e seguiu em alta em 2021.

Com informações do Portal G1. Clique aqui e saiba mais

PUBLICIDADE

Recomendados