PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Estado reativa 310 leitos para Covid-19 e gripe H3N2

Cotidiano

25 de janeiro de 2022 09:21

Da Redação


Relacionadas

STF mantém multa a motorista que recusar bafômetro

WhatsApp terá função premium com soluções para empresas

Governo sanciona MP que torna Auxílio Brasil permanente

Pedágios do Paraná podem ter reajuste de 30% antes de leilão
Idosa morre esperando vaga em UTI por mais de 24h no Paraná
Morte de jovem por infarto comove município do Paraná
Mãe é presa suspeita de matar e torturar filha com deficiência
Foto: Rodrigo Félix Leal
PUBLICIDADE

São 210 enfermarias e 100 Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Agora, o Paraná possui 599 UTIs e 806 enfermarias

O Governo do Estado reativou mais 310 leitos para atendimento preferencial à Covid-19 e H3N2 desde sábado (22). São 210 enfermarias e 100 Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Agora, o Paraná possui 599 UTIs e 806 enfermarias.

“Com o aumento no número de casos confirmados de Covid-19 e Influenza no Estado, precisamos deixar mais leitos à disposição para continuar garantindo que nenhum paciente fique desassistido”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Estes leitos foram distribuídos nos seguintes municípios: Apucarana (29 enfermarias), Bandeirantes (20 enfermarias), Cascavel (20 UTIs e 28 enfermarias), Cornélio Procópio (11 enfermarias), Dois Vizinhos (8 enfermarias), Foz do Iguaçu (60 UTIs e 67 enfermarias), Guaraniaçu (16 enfermarias), Maringá (10 enfermarias), Nova Aurora (10 UTIs e 10 enfermarias), Palotina (10 UTIs) e Ponta Grossa (11 enfermarias).

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) já havia anunciado a reabertura de leitos devido à predominância da variante Ômicron e a epidemia de Influenza H3N2.

Desde o início deste ano, 554 leitos já foram reativados, sendo 167 UTIs e 387 enfermarias. A previsão é que pelo menos mais 205 leitos clínicos retomem o atendimento ainda neste mês.

“Mais do que disponibilidade de leitos, precisamos contar com a colaboração das pessoas em continuarem se vacinando, seja com a segunda dose ou dose de reforço, além do uso de máscaras e cuidados não farmacológicos”, ressaltou Beto Preto.

PUBLICIDADE

Recomendados