PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Parcelas do Minha Casa Minha Vida da Faixa 1 são suspensas

Cotidiano

25 de janeiro de 2022 15:36

Da Redação


Relacionadas

Ratinho Jr. destaca papel do Sul para crescimento do Brasil

Doria desiste da pré-candidatura à Presidência

Calendário do IPVA das placas de finais 9 e 0 acaba hoje

Carro de concurseiro pega fogo a 1 Km da prova
Caixa paga parcela do Auxílio Brasil para beneficiários
Mulher reaparece após ser dada como morta no litoral de SP
CNJ promove ações para marcar Dia Nacional da Adoção
Pausa na cobrança das parcelas para população mais pobre é reivindicação antiga da Federação e dos movimentos por moradia Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Pausa na cobrança das parcelas para população mais pobre é reivindicação antiga da Federação e dos movimentos por moradia 

A União e a Caixa não podem mais cobrar as parcelas em atraso, entre 20 de março e 31 de dezembro de 2020, do financiamento habitacional das famílias da faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida. Esta foi a decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro após Ação Civil Pública (ACP) proposta pela Defensoria Pública da União (DPU) e vale para todo o país.

De acordo com a decisão, as prestações em atraso serão diluídas ao longo do contrato, sem cobrança de juros e mora.

Esta era uma reivindicação urgente dos movimentos populares por moradia, com apoio irrestrito da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae). A faixa 1, que abrange as famílias de menor renda, até R$ 1.800,00, não foi contemplada pela pausa nos pagamentos, concedida pelo Governo Federal a outros mutuários e grupos do programa, como medida para enfrentar os efeitos da crise causada pela pandemia.

O presidente da Fenae, Sergio Takemoto, comemorou a notícia, mas lamentou a demora da solução para as famílias. “Isso deveria ter sido iniciativa do Governo. É uma decisão óbvia que as famílias de menor renda não conseguiriam manter os pagamentos. Além de ter uma renda menor e, portanto, menor capacidade de superar uma crise, a maioria dessas pessoas estão na informalidade. Nessa situação, a perda da renda é imediata, sem qualquer seguridade. Ou seja, os mais pobres foram e continuam invisíveis para o Governo durante toda a pandemia”, avaliou.

Takemoto lembra que a Fenae denunciou e cobrou solução para esse “total descaso” com os mutuários da faixa 1. “Essas famílias estavam sem renda, sem conseguir comprar o próprio alimento e ainda eram ameaçados de perder sua moradia pela insensibilidade de um governo que deveria proteger essa população”, frisou.  

 A representante da União Nacional Por Moradia Popular (UNMP), Evaniza Rodrigues, concorda com o presidente da Fenae. “É uma boa notícia, mas veio com bastante atraso. Esta é a primeira vez, desde o início da pandemia, que temos uma medida clara em relação a faixa 1. Esse pedido [suspensão das cobranças] foi feito ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) em maio de 2020. A gente já apontava essa necessidade para que as famílias não corressem risco de perder suas moradias, já que os contratos da faixa 1 são registrados sob alienação fiduciária”, destacou. Segundo Evaniza, esse tipo de contrato permite que a Caixa retome os imóveis das famílias a partir da terceira prestação em atraso, sem necessidade de ação judicial.

Evaniza chama a atenção para a falta de transparência do Ministério do Desenvolvimento Regional sobre a atual situação das famílias durante o período da pandemia. “Não há transparência em relação a isso. E como não temos mais os conselhos das cidades, que eram órgãos importantes da Sociedade Civil para fazer o monitoramento, não sabemos quantas famílias estão inadimplentes, quantas foram notificadas ou se houve imóveis retomados. Essa informação não é disponível”, criticou.

Projeto de Lei segue em tramitação  A Câmara dos Deputados chegou a aprovar um Projeto de Lei (PL 795/2020), de autoria dos deputados Israel Batista (PV/DF) e Helder Salomão (PT/ES), para suspender as prestações do financiamento por 180 dias. Em julho de 2020, a matéria seguiu para análise do Senado. A última tramitação na Casa aconteceu no dia 5 de agosto de 2021, quando a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) enviou ofício ao ministro da Economia, Paulo Guedes, solicitando “análise da compatibilidade e do atendimento às normas orçamentárias e financeiras da matéria”. 

PUBLICIDADE

Recomendados