PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Falsa acusação faz homem ser espancado até a morte no PR

Cotidiano

25 de janeiro de 2022 16:19

Banda B


Relacionadas

Pedágios podem ter reajuste de 30% antes de leilão

STF mantém multa a motorista que recusar bafômetro

WhatsApp terá função premium com soluções para empresas

Governo sanciona MP que torna Auxílio Brasil permanente
Idosa morre esperando vaga em UTI por mais de 24h no Paraná
Morte de jovem por infarto comove município do Paraná
Mãe é presa suspeita de matar e torturar filha com deficiência
Boatos eram de que a vítima teria abusado do próprio filho. Mãe da criança era a autora da falsa acusação Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Boatos eram de que a vítima teria abusado do próprio filho. Mãe da criança era a autora da falsa acusação

Uma falsa acusação de pedofilia pode ter terminado na morte do João Philip Gonçalves Nunes, de 23 anos, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), no dia 5 de dezembro de 2021. Os boatos de que ele teria abusado do próprio filho foram espalhados pela mãe da criança, na Vila Corbélia. O ex-casal tinha uma briga que envolvia a guarda do menino de 4 anos.

Após a morte do pai, a mulher e o atual namorado fugiram e a criança está desaparecida, segundo a polícia. Ao todo, seis pessoas estariam envolvidas no homicídio, cometido por meio de um espancamento coletivo. Na última sexta-feira (19), um jovem de 19 anos, morador da comunidade e que seria o mandante do crime, foi preso.  

De acordo com o delegado Thiago Nóbrega, a prioridade é encontrar a criança que está desaparecida desde a morte do pai.

“Precisamos localizar, principalmente, a criança desaparecida juntamente com a mãe e o atual namorado dela (suspeitos), que também teve sua prisão temporária decretada. Os dois são foragidos. Tem um traficante da Vila Corbélia que deu o aval para matar o João”, disse Nóbrega.

A briga entre o casal era antiga e existia uma discussão pela guarda da criança. A foragida de 27 anos divulgou um boato sobre o abuso.

“A vítima estava com a guarda da criança. A mulher veio pra Curitiba para pegar o filho, mas não devolveu. João já não tinha uma boa relação com o padrasto criança, eles até trocavam ameaças pelo celular. Ela espalhou um boato que ele tinha abusado do filho, mas era mentira”, explicou.

Sobre o abuso, laudos comprovam que isso não aconteceu, segundo Thiago Nóbrega. “Comprovamos por laudos periciais que ele não violentou o filho e que o menino, inclusive, gostava do pai. A juíza deu a guarda da criança para o pai”, falou.

A vítima conviveu com a ex-companheira durante três anos e possui um filho de 4 anos. Separados desde 2019, o casal iniciou uma disputa judicial pela guarda da criança. Já em 2021, a mulher pegou a criança para visitar, porém não a devolveu mais para o ex-marido. No dia 2 de dezembro, João viajou até Curitiba para buscar o filho, porém a suspeita planejou uma emboscada. 


Foragido

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) divulgou, nesta segunda-feira (24), a foto do padrasto da criança, suspeito de participar do homicídio. Qualquer informação, denuncie por meio do 0800 643 1121.

Informações da Banda B

PUBLICIDADE

Recomendados