PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Tenente é suspeita de matar soldado durante treinamento

Cotidiano

27 de janeiro de 2022 11:32

Da Redação


Relacionadas

Portos do PR devem receber aportes de cerca de R$ 2,3 bi

Secovi Paraná empossa a diretoria da gestão 2022/2026

Aéreas podem retomar serviço de bordo a partir deste domingo

Bolão do PR acerta a quina da Mega-Sena e leva R$ 220 mil
Chega ao fim estado de emergência em saúde pela covid
Missão uruguaia prospecta investimentos no Paraná
Ratinho Jr. participa da ‘Marcha para Jesus’ com Bolsonaro
Tenente do Corpo de Bombeiros Izadora Ledur de Souza Dechamps. Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Soldado teria morrido depois de ficar internado ao passar mal em uma aula de instrução de salvamento

Uma nova denúncia foi oferecida pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), na última sexta-feira (21), contra a tenente do Corpo de Bombeiros Izadora Ledur de Souza Dechamps pelo crime de tortura contra o aluno Maurício Júnior dos Santos, em 2016.

Esta é a segunda vez que a tenente é denunciada pelo crime. Em setembro de 2021, ela foi condenada pelo crime de maus-tratos contra o soldado Rodrigo, de 21 anos, que morreu depois de ficar internado ao passar mal em uma aula de instrução de salvamento.

A defesa da tenente disse que não vai se manifestar sobre a nova acusação.

De acordo com o documento assinado pelo promotor Paulo Henrique Amaral Motta, entre os meses de janeiro e fevereiro de 2016, durante o treinamento de salvamento aquático em ambiente natural do 15º Curso de Formação de Soldado do Corpo de Bombeiros realizado na Lagoa Trevisan, em Cuiabá, Ledur submeteu o aluno Maurício a intenso sofrimento físico e mental, como forma de lhe aplicar castigo pessoal.

Durante o treinamento, Maurício precisou percorrer 40 metros na lagoa e em certo momento, ele começou a sentir câimbras. O rapaz chegou a receber uma boia ecológica de um tenente. Porém, o promotor ressaltou que Ledur determinou que os demais alunos seguissem com a travessia da lagoa e abandonassem o aluno.

As sequências de tortura, segundo o MP, só foram interrompidas após o aluno perder a consciência.

À época, o aluno foi encaminhado a uma unidade de saúde após acordar às margens da lagoa e sentir fortes dores de cabeça.

Conforme o prontuário de atendimento médico, Maurício “foi submetido a esforço físico desgastante, sofreu desmaio, vômitos, 3 episódios, tremor e dor torácica”.

No documento, o promotor cita, além da vítima, cinco testemunhas do caso que podem ser ouvidas durante o processo na Justiça.

Em setembro de 2021, Ledur foi condenada a cumprir um ano de prisão, em regime aberto, pelo crime de maus-tratos contra o aluno Rodrigo Claro.

Ledur também não perdeu o cargo ou a farda. A Justiça ainda pode avaliar se ela deverá seguir medidas cautelares.

Desde a morte de Rodrigo, a Justiça investiga se houve abusos por parte dos instrutores do curso de formação.

Com informações: Yahoo!Notícias.

PUBLICIDADE

Recomendados