PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Mulher faz buzinaço para comemorar divórcio no DF

Cotidiano

28 de janeiro de 2022 17:35

Da Redação


Relacionadas

Mulher é resgatada após 72 anos de trabalho escravo no RJ

Bolsonaristas convocam 'lanchaciata' em Brasília

Procon alerta para o golpe do cartão trocado

Acidente no PR deixa dois mortos e cinco feridos
Elon Musk decide suspender a compra do Twitter
Homens anunciam adolescentes em rifa e são presos
Sexta-feira 13 e gatos pretos: animais correm perigo
Tânia Lacerda escreveu 'enfim divorciada' no vidro do carro e percorreu cerca de 8 km Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Tânia Lacerda escreveu 'enfim divorciada' no vidro do carro e percorreu cerca de 8 km

Um buzinaço, entre Taguatinga e Ceilândia, no Distrito Federal, chamou a atenção dos motoristas, na tarde da última terça-feira (25) e repercutiu nas redes sociais. Em um trajeto de cerca de 8 quilômetros, a técnica de enfermagem aposentada Tânia Lacerda, usou a buzina e latinhas amarradas ao parachoque do carro para comemorar o divórcio.

No vidro traseiro, a frase "enfim divorciada" revelava o sentimento da mulher, de 55 anos. Segundo ela, o casamento – que durou 36 anos – foi um relacionamento abusivo, que precisava chegar ao fim. "Nem sei como consegui viver tantos anos assim. Quantas vezes passei por situações que minha família nem ficou sabendo", conta Tânia.

A recém divorciada conta que conhecer histórias de feminicídio foi o que a fez ter coragem para pedir o divórcio. "Nós, mulheres, sempre achamos que o parceiro vai mudar, mas eles não mudam. A gente tem que tomar consciência e buscar nosso amor próprio pra sair desses ciclos de abuso", diz ela.

Em 2021, a Secretaria de Segurança Pública do DF registrou um aumento de 47% dos casos de feminicídio em Brasília. Foram 25 mortes no ano passado e 17 em 2020. "Quando eu soube que a justiça autorizou o meu divórcio, minha vontade foi de gritar aos quatro cantos do mundo que consegui sair dessa prisão. Foi uma sensação de liberdade, uma alegria imensa", diz Tânia.

De acordo com a aposentada, o caminho para decidir a separação foi "longo e de muito sofrimento". Segundo ela, o primeiro episódio de agressão aconteceu há 20 anos. "Foi na casa da minha mãe. Ele [ex-marido] pegou um facão e cortou uma porta inteira. Nesse dia eu tive muito medo, e não voltei pra casa. Mas, por questões de dinheiro, acabei voltando depois", aponta.

"São muitas coisas que acabam prendendo a gente a alguns relacionamentos. Eu me casei em uma época em que o casamento era pra sempre. Pra ver os filhos cresceram, e envelhecer juntos, um cuidando do outro. Mas, com o tempo, eu entendi que só eu estava nesse casamento. Eu sofri muito, e fui perdendo até minha saúde", conta. "Agora é vida nova. O pior já passou, é passado", diz a recém divorciada.

Informações do G1

PUBLICIDADE

Recomendados