PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

PF diz que Bolsonaro cometeu crime ao divulgar inquérito

Cotidiano

28 de janeiro de 2022 18:58

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Lojas MM entrega mais um caminhão de prêmios

Ratinho Jr. destaca papel do Sul para crescimento do Brasil

Doria desiste da pré-candidatura à Presidência

Calendário do IPVA das placas de finais 9 e 0 acaba hoje
Carro de concurseiro pega fogo a 1 Km da prova
Caixa paga parcela do Auxílio Brasil para beneficiários
Mulher reaparece após ser dada como morta no litoral de SP
Atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL). Foto: Divulgação/Agência Brasil.
PUBLICIDADE

É a primeira vez que a Polícia Federal acusa o presidente da República de algum crime

O presidente Jair Messias Bolsonaro (PL) teve "atuação direta, voluntária e consciente" ao compartilhar documentos sigilosos. A constatação está em um documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela delegada Denisse Ribeiro, responsável pela investigação do vazamento de dados após um ataque hacker em urnas eletrônicas.

De acordo com Denisse, ao realizar tal atitude, Bolsonaro cometeu um crime. É a primeira vez que a Polícia Federal acusa o presidente. A delegada os enquadrou nos artigos 325 e 327, do Código Penal, que versam sobre utilizar o cargo que ocupa para revelar fatos em sigilo ou ter acesso a documentos restritos. O dispositivo ainda prevê multa e pena de seis meses a dois anos, podendo ser aumentada em virtude do cargo que ocupam.

Ainda no documento enviado à Suprema Corte, Denisse aponta que o depoimento de Bolsonaro é "medida necessária para prosseguir no processo". "Tal medida, além de ser uma forma de obtenção de dados, pode ser considerada também como um direito subjetivo da pessoa sobre quem recai a suspeita da prática do ato, que terá o momento adequado para ratificar ou contrapor os fatos, exercendo o direito à ampla defesa", escreveu a delegada.

Com informações: Correio Braziliense.

PUBLICIDADE

Recomendados