PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Forças Armadas não vão interferir nas eleições

Cotidiano

13 de maio de 2022 09:38

Da Redação


Relacionadas

Ser mulher, cientista e o que quiser: as mulheres na pesquisa

Menina de 11 anos estuprada em SC é submetida ao aborto legal

Velório e cremação do indigenista Bruno acontece hoje

Bebê de 1 ano é resgatado em carro trancado no interior de SC
“Astronauta” furta mais de R$ 70 mil de supermercado em BH
PR recebe prêmio como melhor gestão portuária do país
Homem é preso com fuzis dentro de ônibus no Paraná
As Forças Armadas compõem, desde o ano passado, a Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) Foto: Governo Federal
PUBLICIDADE

Declaração foi feita após manifestação de presidente do TSE; Edson Fachin criticou as tentativas de se desacreditar o sistema eleitoral brasileiro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (12), durante live nas redes sociais, que as Forças Armadas não vão interferir nas eleições. A declaração foi uma resposta ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, que mais cedo criticou as tentativas de se desacreditar o sistema eleitoral brasileiro. 

"Eu não sei de onde ele [Fachin] está tirando esse fantasma que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral. Não existe interferência, ninguém quer impor nada, ninguém quer atacar as urnas, atacar a Democracia, nada disso. Ninguém está incorrendo em atos antidemocráticos. Pelo amor de Deus! A transparência das eleições, eleições limpas, transparente, é questão de segurança nacional", afirmou.

Horas antes, durante uma visita à sala do TSE onde estão sendo realizados testes de segurança nas urnas eletrônicas, o ministro Edson Fachin criticou as tentativas de se levantar suspeitas sobre as urnas eletrônicas.

"Quem trata de eleição são forças desarmadas e, portanto, dizem respeito à população civil, que de maneira livre e consciente escolhe seus representantes. Logo, diálogo sim, colaboração sim, mas a palavra final é da Justiça Eleitoral", disse Fachin.

As Forças Armadas compõem, desde o ano passado, a Comissão de Transparência Eleitoral (CTE), criada pelo próprio TSE, envolvendo diferentes órgãos. O objetivo foi dar ainda mais transparência ao processo eleitoral. Militares fizeram uma série de sugestões à Corte sobre o processo eleitoral, sendo que algumas acatadas e outras não foram incorporadas pela área técnica do tribunal.

"Vamos ter, dia 2 de outubro — o Brasil terá —, eleições limpas, seguras, com paz e segurança. Ninguém e nada interferirá na Justiça Eleitoral. Não admitimos qualquer circunstância que impeça o brasileiro de se manifestar", afirmou Fachin. 

Com informações Agência Brasil

 

PUBLICIDADE

Recomendados