PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Polícia prende suspeitos de assassinar perito papiloscopista

Cotidiano

16 de maio de 2022 10:00

Da Redação


Relacionadas

Estado anuncia investimento da Fiocruz em planta de vacinas

Detran passa a aceitar PIX em todas as guias de pagamento

Brasil abre 277.018 vagas formais de trabalho em maio

Casal morre ao mesmo tempo em lugares diferentes no PR
PR encaminha 2 mil pessoas para leitos hospitalares por dia
Polícia prende suspeito do abuso de jovem de 13 anos
Excesso de molho motiva morte de funcionária do Subway
Quatro foram presos em flagrante, mas o corpo ainda não foi encontrado Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Três dos quatro envolvidos são militares da Marinha

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu ontem (15) quatro suspeitos de envolvimento no assassinato do perito papiloscopista da Polícia Civil Renato Couto de Mendonça, que era lotado no Instituto de Identificação Félix Pacheco (IIFP). Entre os presos, dois são sargentos e um é cabo da Marinha.

Os quatro foram presos em flagrante, mas o corpo ainda não foi encontrado. A suspeita é que tenham sido jogado no Rio Guandu, em Japeri, na Baixada Fluminense. A corporação está fazendo buscas no local.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, a vítima teve uma desavença com o dono de um ferro-velho na Praça da Bandeira, zona norte do Rio de Janeiro. O filho do proprietário, que é militar da Marinha, sequestrou o agente com a ajuda de colegas, utilizando uma viatura da Marinha.

Os presos serão autuados por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Em nota, a Marinha do Brasil informou que tomou conhecimento da ocorrência com uma vítima fatal na noite de sábado (14), envolvendo militares da ativa do Comando do 1º Distrito Naval. Segundo a Marinha, o caso é objeto de inquérito policial no âmbito da Justiça comum.

“Os militares envolvidos foram presos em flagrante pela polícia e responderão pelos seus atos perante a Justiça. A Marinha do Brasil lamenta o ocorrido, se solidariza com os familiares da vítima e reitera seu firme repúdio a condutas e atos ilegais que atentem contra a vida, a honra e os princípios militares”.

A Marinha informou também que está colaborando com as investigações e abriu um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias da ocorrência.

Com informações: Agência Brasil

PUBLICIDADE

Recomendados