PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Eclipse total da Lua é visto e registrado por paranaenses

Cotidiano

16 de maio de 2022 10:25

Da Redação


Relacionadas

Troca de tiros termina com morte em Prudentópolis

Projeto realiza eleições simuladas com estudantes de PG

Adolescente de 13 anos morre vítima de Covid-19 no Paraná

Arraiá sem enganação: Ipem-PR fiscaliza produtos
Milton Ribeiro diz ter recebido ligação de Bolsonaro
Jovem usa ferro em brasa para marcar 22 de Bolsonaro na pele
Ex-jogador Richarlyson assume bissexualidade
PUBLICIDADE

Primeiro e único eclipse total da Lua em 2022 foi visto em toda a América do Sul e Central e partes da América do Norte, Europa e África

Entre a noite deste domingo (15) e a madrugada de segunda-feira espectadores paranaenses e do Brasil inteiro puderam acompanhar o primeiro e único eclipse total da Lua em 2022.

Isso quer dizer que o Sol, a Terra e Lua estiveram alinhados e a Lua passou na sombra da Terra. O fenômeno foi visto também em toda a América do Sul e Central e partes da América do Norte, Europa e África.

No Paraná, o evento foi visto em várias cidades, apesar do tempo encoberto, devido à massa de ar frio que esta sobre o estado. O  Parque da Ciência, localizado em Pinhais, registrou as diversas fases até a totalidade do fenômeno.

O evento chegou em sua totalidade (perto da 1h11 da manhã, no horário de Brasília), e a sombra encobriu completamente o disco lunar, e a Lua ficou avermelhada, isso porque não tivemos a incidência direta da luz do Sol no nosso satélite natural. Por isso, o evento também é conhecido como "Lua de Sangue".

Alessandra Abe Pacini, cientista do grupo de Física Espacial da Universidade do Colorado, explicou que, ao longo da noite, vimos a Lua sumindo com a sombra da Terra passando na frente. "É o mesmo fenômeno que torna o pôr do Sol vermelho. É como se a luz do Sol fosse filtrada pela nossa atmosfera e sobrasse esse vermelho que espalha a luz do Sol que incide sobre a Lua", diz.

Segundo a Nasa, a agência espacial norte-americana, o nome técnico para isso é Dispersão de Rayleigh. A agência diz ainda que quanto mais poeira ou nuvens na atmosfera da Terra durante o eclipse, mais vermelha a Lua aparecerá. "É como se todos os amanheceres e entardeceres do mundo fossem projetados na Lua", explica a Nasa.

PUBLICIDADE

Recomendados