PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Mãe é presa suspeita de matar e torturar filha com deficiência

Cotidiano

19 de maio de 2022 11:39

Da Redação


Siga o a rede no Google News

Relacionadas

Casos de varíola dos macacos chegam a 76 em todo o país

Ministério Público inspeciona Caixa em caso sobre assédio

PR registra mais 1.233 casos e dois óbitos pela Covid-19

Presidente de Portugal se reúne com Lula e irrita Bolsonaro
Agências do INSS mudam regras de atendimento em todo o país
Van com pacientes bate em caminhão e sete morrem
Morre cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo
Mulher é mãe de mais duas pessoas com deficiência Foto: Colaboração/Banda B
PUBLICIDADE

No caso, ocorrido no começo do mês de maio em Curitiba, a mulher também é investigada por cárcere privado

Uma mulher foi presa suspeita de matar e torturar a própria filha, Maria Salete de Oliveira Braz, de 30 anos, no bairro Cajuru, em Curitiba. Além disso, a mulher é investigada por manter Maria Salete em cárcere privado dentro de um quarto. O crime aconteceu no dia 4 de maio e a prisão foi feita nesta quinta-feira (19). O corpo da vítima foi encontrado com diversas queimaduras, em um local com a situação precária, com fezes e sujeira espalhadas pelo chão.

No dia do crime, a mãe da jovem, que foi encaminhada à delegacia para prestar depoimento, alegou que ela caiu da escada. A investigada ainda afirmou que a filha chegou em casa na madrugada após ficar dois meses fora.

No local, o delegado Tito Lívio Barichello, da Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), confirmou que as lesões da vítima foram de antes da queda. “Ela já apresentava todas estas lesões e estava muito tonta, ou seja, lesões causadas em momento anterior a queda e aí ela teria caído”, explicou.

O delegado, por sua vez, destacou que a situação dita pela mãe é estranha e merece ser verificada. No entanto, ele ressaltou a possibilidade de homicídio doloso porque as lesões encontradas no corpo da vítima não correspondem a uma queda de escada, mas sim em um ambiente doméstico. O investigador acredita nesta possibilidade porque, por ser PCD, a mulher não se relacionava com pessoas de fora da família. “Parecem queimaduras, são lesões por todo o corpo. Estamos aguardando a perícia, que vai nos passar informações mais fidedignas daquilo que é possível apurar neste momento, mas posso dizer claramente que não advém de queda e que estas lesões demonstram, sem dúvida nenhuma, um ato de barbárie porque o corpo inteiro dela está lesionado. São lesões que não são pequenas”, revelou ele.

A mulher seria mãe de mais duas pessoas com deficiência. Os dois filhos foram encaminhados para a delegacia, para efetuar exame de corpo de delito. Ainda não foi indicado um advogado para a defesa da suspeita.

Com informações: Banda B

PUBLICIDADE

Recomendados