Suspeito de ataque em evento de Lula é preso em Minas

Rodrigo Luiz Parreira teve prisão decretada devido à falsificação de documentos para comprar armas de fogo

Ex-presidente Lula (PT) esteve em um evento na cidade de Uberlândia (MG), no mês de junho
Ex-presidente Lula (PT) esteve em um evento na cidade de Uberlândia (MG), no mês de junho -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Rodrigo Luiz Parreira teve prisão decretada devido à falsificação de documentos para comprar armas de fogo

O agropecuarista Rodrigo Luiz Parreira, apontado como responsável pelo ataque com um drone a um evento do ex-presidente Lula (PT) em Uberlândia (MG) no mês de junho, foi preso por aquisição irregular de armas de fogo. A medida foi tomada após um pedido do Ministério Público Federal (MPF). Segundo o órgão, Parreira falsificou documentos para comprar armamentos e tentou destruir provas se livrando de um celular durante uma busca realizada em sua casa na sexta-feira (1°). O MPF também afirmou que uma das armas registradas no nome do agropecuarista, um fuzil modelo 7022 calibre 22 LR, não foi encontrada.

Parreira já tem duas passagens pela polícia por estelionato em Minas Gerais e roubo no estado de Goiás. Ele foi encaminhado ao Presídio Uberlândia 1 após a Terceira Vara da Subseção Judiciária de Uberlândia decretar sua prisão na última sexta. O mandado foi cumprido no sábado (2).

Ataque com drone

Parreira foi apontado como um dos autores de um ataque com drone em um evento do PT em Uberlândia (MG) em 15 de junho. Na ocasião, o drone jogou um líquido com cheiro de urina e fezes sobre os apoiadores do partido, que se reuniam no estacionamento da Universidade do Triângulo Mineiro (Unitri). O evento foi o primeiro encontro entre o pré-candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o pré-candidato a governador de Minas, Alexandre Kalil (PSD), após o anúncio de aliança entre as siglas no estado. A suspeita é de que o líquido lançado sobre os apoiadores do PT tenha sido veneno para matar moscas. Rodrigo e dois outros dois homens foram detidos em flagrante no dia do ato por uso irregular de drone e liberados depois de assinarem um termo circunstanciado de ocorrência. Como não havia licença para operação do drone, o aparelho foi apreendido.

As informações são do jornal O Dia