Assessora do Operário é vítima da truculência de torcedores

Esporte

02 de abril de 2018 13:33

Mario Martins


Relacionadas

Operário anuncia a contratação do volante Leandro Vilela

CR7 testa positivo para a Covid-19 e desfalca Portugal

Série C: Vila Nova vence Manaus de virada

Série B: Ponte Preta vence Náutico no Recife
Seleção enfrenta hoje o Peru pelas Eliminatórias
Com grupo completo, Tite trabalha para jogo desta terça
Operário retorna aos treinos no feriadão para enfrentar o CRB
Bianca Machado foi vítima de torcedores de Iraty ao final do jogo ocorrido no Emílio Gomes Foto: Mario Martins
PUBLICIDADE

O advogado Paulo Pereira, constituído pela jornalista Bianca Machado, como representante no processo que será instaurado para apurar responsabilidades dos torcedores do time do Iraty, em ofensas à honra e ameaças, contra a profissional, informou ao portal aRede e ao Jornal da Manhã, as providências que serão adotadas em relação ao episódio.

‘Durante a semana, além conscientização contra o assédio às profissionais do esporte, também vamos instaurar Inquérito Policial e identificar, através das imagens e testemunhas presentes, quais foram os torcedores responsáveis pela ofensa. Esperamos a colaboração das torcidas organizadas e do Iraty Sport Clube pois, segundo o Estatuto do Torcedor, eles também são responsáveis pela prevenção da violência nos estádios (art. 2º da Lei Federal nº. 10.671/03)’, comentou o advogado.

Ao final da partida realizada no último domingo, no Estádio Coronel Emilio Gomes, Bianca estava organizando a coletiva de imprensa, quando foi vítima de preconceito e ainda alvo de injúria e discriminação, por parte da torcida do Iraty. 'Voltei chorando para Ponta Grossa. Lamento muito que nem a PM e a diretoria do Iraty tomaram qualquer providência (naquele momento) em relação aos torcedores', comentou a assessora.

O advogado Paulo Pereira observa que ‘a incitação da violência por parte de torcedores pode resultar em pena de 1 (um) a 2 (dois) de reclusão, multa além de ser proibido a comparecer a eventos esportivos pelo prazo de até 3 (três) anos’, assinala. Ele afirma que o torcedor poderá ficar detido entre as 2 (duas) horas antecedentes e as 2 (duas) horas posteriores à realização de partidas. O clube, se verificada a sua omissão, também poderá ser responsabilizado civilmente e perante a Federação Paranaense de Futebol.

Além disso, segundo o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (art. 243-G, §2º), o clube poderá ser penalizado com uma multa de R$100,00 (cem) a R$100.000,00 (cem mil reais), pelos atos discriminatórios causados pela torcida.

O portal aRede e o Jornal da Manhã repudiam todos os atos hostis, provocações verbais e intimidativas contra a jornalista Bianca Machado, ao final do jogo deste domingo, no Estádio Emílio Gomes, na cidade de Irati. Ela é assessora do Operário Ferroviário e foi vítima de um grupo de torcedores do time de Iraty. O portal e o JM cobram a adoção de medidas à Federação Paranaense de Futebol (FPF) e exige a abertura de um procedimento investigativo por parte das autoridades policiais e judiciárias de Irati, para a identificação e punição das pessoas envolvidas neste ato repugnante e inaceitável. 

PUBLICIDADE

Recomendados