PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Rebeca é 1ª brasileira com ouro e prata em um Mundial

Esporte

23 de outubro de 2021 18:27

Fernando Rogala


Relacionadas

Operário se despede da temporada enfrentando o CRB

Palmeiras vence na prorrogação e é tri da Libertadores

Palmeiras e Flamengo decidem a Libertadores neste sábado

Ciclismo de PG pode se destacar em JOJUP's e JAP's
Mancha Verde PG emite nota sobre morte de Marcinho
Santa Casa realiza evento em prol de pacientes oncológicos
Líder da Mancha Verde de PG morre eletrocutado no RS
A ginasta, de 22 anos, sobrou no salto sobre a mesa Foto: Filippo Tomasi/CBG
PUBLICIDADE

Atleta foi a melhor no salto, e vice nas paralelas em evento no Japão


Dois meses após faturar ouro e prata na Olimpíada de Tóquio, a ginasta brasileira Rebeca Andrade voltou a fazer história na modalidade ao conquistar neste sábado duas medalhas - novamente ouro e prata -  para o país em uma mesma competição. Desta vez, a paulista de Guarulhos foi a melhor no salto e vice nas paralelas assimétricas no Mundial de Ginástica Artística, em Katyushu (Japão). 

“Estou muito feliz com esse resultado. As duas medalhas são bem importantes. Depois da Olimpíada, eu tinha que controlar o que estava sentindo, e consegui. Queria muito essa medalha na paralela, há muito tempo”, disse sorridente a medalhista, em depoimento à Confederação Brasileira de GInástica (CBG).  E completou: “Hoje faço parte das lendas do Brasil. Entendo bem o lugar e a posição em que estou. Trabalho com muita força, vontade, garra. Faço tudo com amor e alegria. Tudo o que você faz assim, dá certo”.

A ginasta, de 22 anos, sobrou no salto sobre a mesa, assim como já fizera nos Jogos de Tóquio, que resultou no ouro.  Rebeca foi às alturas nos dois saltos da final - um Cheng (15,133) e um Yurchenko (14,800) - totalizando 14,966, deixando para trás a italiana Asia D’Amato (14,083) e a russa Angelina Melnikova (13,966).

Na prova preferida da brasileira, as paralelas assimétricas, Rebeca fez um final equilibrada e ficou com a prata (14,633), a apena um décimo da chinesa Xiaoyuan Wei (14,733) que conquistou o ouro.  O bronze foi para a chinesa Luo Rui, que apesar de somar o mesmo total que Rebeca (14,966), ficou atrás da brasileira nos critérios de desempate (melhor execução). 

Rebeca volta a competir às 5h (horário de Brasilia) deste domingo (24), na final da trave. A partir das 6h, Caio Souza compete na final das barras paralelas.


As informações são da Agência Brasil.

PUBLICIDADE

Recomendados