Babilônia: as inconsequências de jovens como Guto

Famosos E TV

10 de abril de 2015 17:57

aRede


Relacionadas

Joana chega à casa de Tânia

Tancinha fica encantada com o Rio de Janeiro

Santo volta para a casa

Bárbara pede Gabriel em casamento
Rebeca e Aparício se beijam
Tereza chega à aldeia
Bial deixa apresentação do BBB para assumir programa na Globo
PUBLICIDADE

Para o psicólogo e escritor Alexandre Bez, especialista em relacionamentos, a grande sacada das novelas da atualidade são as questões que envolvem as psicodinâmicas das ações do cotidiano, que representam a realidade da vida real como realmente são. Na trama Babilônia encontramos o personagem Guto (Bruno Gissoni), um típico irresponsável que não gosta de tarefas normais como trabalho e estudo.

“Sua personalidade é falha e permeada pela irresponsabilidade, essa que foi proporcionada no processo desde sua criação. Ele provavelmente não foi vedado de seus desejos e noções de limites, não sabendo ouvir um não na atualidade porque na infância não foi acostumado com a imposição de limites”, afirma Bez.

Podemos perceber assim que o grande culpado nem seja ele mesmo, mas talvez outra pessoa - neste caso seu pai Evandro (Cassio Gabus Mendes) - que não lhe impôs os limites necessários fazendo dele o homem que deveria ser. A importância de separar a criação da educação se faz necessária não só nesse caso, mas em todos. Educação ele tem, o que realmente ele não teve foi uma criação adequada.

Entendendo de que se para viver em sociedade tem regras e normas a serem seguidas, não somos o Dono do Mundo, mas sim seres pensantes, racionais e lógicos. O capítulo com a lancha só evidenciou a execrável personalidade de Guto, sob influência alcoólica ele atropelou no mar o garoto correndo com a embarcação numa área de velocidade reservada, além de se exibir aos amigos durante o passeio.

“Pessoas sem caráter como a do personagem são acobertados pela impunidade. No caso de Guto teria que haver um processo de ressocialização. Entender o que é ser um ser humano e dar valor a praticamente tudo e todos. Além de pagar seus erros propositais, deixando assim de ser inconsequente”, finaliza o psicólogo.

Informações da assessoria.

PUBLICIDADE

Recomendados