Mulher é condenada por esconder bebê em porta-malas

Insana

21 de novembro de 2018 12:32

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Homem processa os pais após descartarem sua coleção pornô

Mulher bate carro após ver uma aranha no banco de passageiros

Homem tem pênis amputado após 48 horas de ereção

Píton de 5,2 metros é capturada por pesquisadores
Aluno leva amigo deficiente nas costas até a escola por seis anos
Bebida é proibida por causar ereções de seis horas
Anitta é comparada à boneca Momo ao retocar maquiagem
Acredita-se que Rosa Maria Da Cruz não queria que seu marido soubesse da existência da bebê Foto: AFP/GETTY IMAGES
PUBLICIDADE

Uma história escabrosa chegou ao fim – ao menos do ponto de vista legal. Para a vítima, porém, as sequelas durarão a vida toda.

Durante 23 meses, Rosa-Maria Da Cruz escondeu sua bebê Séréna entre o porta-malas de seu carro cheio de vermes e um quarto vazio de sua casa próxima à localidade de Brive-la-Gaillarde, no sudoeste da França.

A bebê foi encontrada em 2013, quando tinha entre 15 e 23 meses de vida.  Hoje, a menina de 7 anos tem traços autistas causados por privação sensorial, segundo os especialistas que a examinaram.

A menina, que não fala nem socializa, está em um orfanato. Aparentemente, Da Cruz, de 50 anos e nascida em Portugal, não queria que seu marido e os outros três filhos soubessem da existência de Séréna. Ela foi condenada por negligência causadora de incapacidade mental.

Como encontraram a bebê?

Séréna foi achada em 2013 por Guillaume Iguacel, um mecânico que escutou ruídos enquanto consertava o carro da mulher. Ao abrir o porta-molas, o homem encontrou a menina suja com excrementos. Estava desidratada e pesava a metade do que seria seu peso ideal.

“Havia um odor horrível, cheirava a morte dentro do carro”, disse Iguacel. “Encontrar a bebê nesse estado é inimaginável.” Segundo o veículo jornalístico France Info, um especialista que examinou Séréna pouco depois de seu resgate disse que a menina sofria de uma estranha forma de autismo.

Outro especialista que viu a bebê a descreveu como se “estivéssemos em frente a uma espécie de muro, sem reação, sem nada.” Domingos Sampaio Alves, marido de Da Cruz, disse que nunca soube da existência de Séréna. “Não sei por que ela fez isso”, disse Sampaio à corte e acrescentou que a mulher havia sido uma “boa mãe” com os outros filhos, de 9, 14 e 15 anos.

Da Cruz disse que não era capaz de explicar seus atos.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.

Informações Banda B com BBC Brasil

 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede