Mulher leva defunto na Caixa para fazer prova de vida

Insana

16 de outubro de 2020 09:36

Da Redação


Relacionadas

Ponta-grossenses 'inovam' na forma de usar o drive-thru

Mulher leva defunto na Caixa para fazer prova de vida

Cidade mineira reforma o maior sutiã do Brasil no Outubro Rosa

Homem é flagrado roubando sangue de gato em veterinária
Zoo 'expulsa' cinco papagaios por insultarem visitantes
Vendedora de mel é notificada por usar foto de ator em rótulo
Torcedores usam escadas para assistir jogo do Operário
O delegado Cícero Simão da Costa classificou o caso como “absolutamente incomum” Foto: Leandro Las Casas
PUBLICIDADE

O caso é investigado pelo 1º DP de Campinas e, segundo o UOL, a vítima pode ser indiciada por fraude

Uma mulher levou uma pessoa morta para fazer prova de vida em uma agência da Caixa Econômica Federal em Campinas, no interior de São Paulo. O caso aconteceu no último dia 2, mas o laudo do Instituto Médico Legal, que comprova que o homem estava morto, foi divulgado nesta quinta-feira, 15.

As informações são do portal UOL e o caso foi confirmado à reportagem pela Secretaria de Segurança Pública do estado.

A mulher de 58 anos, acompanhada de um casal, entrou com um homem sentado em uma cadeira de rodas. Ela foi ao primeiro andar da agência sozinha e disse que o senhor estava passando mal.

A senhora explicou ao atendente que precisava de uma nova senha para entrar na conta bancária do marido, o homem que estava na cadeira de rodas, porque tinha perdido a antiga. Ela não tinha procuração e, por isso, precisava provar que ele estava vivo.

Um dos atendentes notou que algo estava errado. O homem na cadeira de rodas, Laercio Della Colleta, estava morto. Ele pediu ajuda a um bombeiro da agência, que também identificou que o idoso estava sem vida.

Um dia depois do ocorrido, Laercio Della Colleta foi enterrado.

O caso é investigado pelo 1º DP de Campinas e, segundo o UOL, a vítima pode ser indiciada por fraude. O delegado Cícero Simão da Costa classificou o caso como “absolutamente incomum”. “Agora que temos o resultado vamos ouvi-la novamente para tentar entender o que aconteceu”, explicou.

 

PUBLICIDADE

Recomendados