Cidade do Alaska voltará a ver a luz do sol apenas em 2021

Insana

19 de novembro de 2020 17:03

Da Redação


Relacionadas

Cidade do Alaska voltará a ver a luz do sol apenas em 2021

Youtuber reconstrói hímen e rifa ‘nova virgindade’

Engenheiro aposta em saia e salto alto para trabalhar

Ponta-grossenses 'inovam' na forma de usar o drive-thru
Mulher leva defunto na Caixa para fazer prova de vida
Cidade mineira reforma o maior sutiã do Brasil no Outubro Rosa
Homem é flagrado roubando sangue de gato em veterinária
PUBLICIDADE

Os habitantes desta pequena cidade nos Estado dos Estados Unidos já estão acostumados a longas noites sem ver a luz do dia

Os moradores de Utqiaġvik vão passar os próximos dois meses quase totalmente na escuridão. Os habitantes desta pequena cidade no Alasca - o Estado dos Estados Unidos mais ao norte - já estão acostumados a longas noites sem ver a luz do dia. A partir desta quinta-feira (19), seus pouco mais de 4 mil habitantes não vão mais ver o sol. A próxima oportunidade será no dia 23 de janeiro de 2021.

Utqiaġvik - conhecida antigamente como Barrow - não é a única cidade no Alasca privada de iluminação solar por longos períodos como este. O norte do Alasca está localizado no Círculo Polar Ártico, que circunda a gélida região polar do Ártico. De maneira que outros pequenos povoados como Kaktovik, Point Hope e Anaktuvuk Pass tampouco veem a luz do sol por um longo período.

O fenômeno da penumbra prolongada é conhecido como noite polar e é comum em regiões localizadas dentro dos círculos polares, que passam mais de 24 horas sem sol. No caso de Utqiaġvik, serão muito mais de 24 horas. O fenômeno acontece ano após ano e Utqiaġvik é o primeiro lugar do Alasca a ser afetado, por sua localização extrema ao norte.

A cidade é o lar da população indígena Iñupiac e abriga várias estações de pesquisa climática. Segundo o site Weather.com, "a partir de meados de novembro até o fim de janeiro, o sol não nasce ao norte do Círculo Ártico, devido à inclinação da Terra longe da luz solar direta". Localizada 530 km acima da linha que delimita o Círculo Ártico, Utqiaġvik não ficará, no entanto, mergulhada na escuridão total nos próximos dois meses.

Um fenômeno chamado crepúsculo civil - que ocorre quando o sol está a 6 graus abaixo da linha do horizonte e cria uma pequena iluminação - permitirá que haja um pouco de luz. O crepúsculo civil dura seis horas por noite, mas diminuirá para três horas por noite no fim de dezembro.

Embora o cenário pareça assustador, muitos destacam uma vantagem que a maioria dos lugares no mundo não tem: quando o verão chega a esta pequena cidade no Alasca, seus habitantes podem desfrutar de 80 dias seguidos sem pôr do sol.

As informações são da BBC

PUBLICIDADE

Recomendados