Com ‘O Silêncio do Rio’, mineiros vencem o 32º FUC

Mix

16 de junho de 2019 11:33

Da Redação


Relacionadas

Ônibus do Papai Noel da VCG começa a circular nesta sexta

A Fazenda alcança 100 milhões de pessoas em 2019

Especial da Globo conta com conselhos de Milton Gonçalves

Série ponta-grossense é destaque na internet
A história da restauração do prédio do antigo Fórum
Lançamento do livro 'Versos entre Vinhos’ acontece sexta
Gusttavo Lima se apresenta em PG neste mês
Prêmios foram para músicos de São João del-Rei, em Minas Gerais Foto: Divulgação/UEPG
PUBLICIDADE

Com o lamento pelo Rio Doce, canção rendeu a Tobias Jacó, Aduar e Gabriel Guedes os prêmios de Melhor Música e Melhor Interpretação

Doze canções e intérpretes de altíssimo nível disputaram a final do 32º Festival Universitário da Canção da Universidade Estadual de Ponta Grossa, que aconteceu na noite de sábado (15) no Cine Teatro Ópera. A canção o Silêncio do Rio foi a grande vencedora da noite. Tobias Jacó, Aduar e Gabriel Guedes levam para São João del-Rei, Minas Gerais, os Troféus de Melhor Música e Melhor Interpretação. “Criada como um lamento pelo Rio Doce, hoje a canção serve de alerta sobre condição das barragens em Minas Gerais”, enfatiza Aduar.

A canção Turbilhão, de Lucas Madi, Campinas (SP) conquistou o segundo lugar. O troféu de terceiro lugar ficou em Ponta Grossa. A banda local A Vera, além de conquistar a terceira colocação, venceu o Prêmio Júri Popular. Acadêmicos do curso de Artes da UEPG, que criaram o troféu desta edição do festival, entregaram a premiação à banda. O quarto lugar ficou com a canção “O Sal”, do compositor Zé Beto Correia. A canção “Neve em Itamaracá” foi premiada com o quinto lugar. A canção é de Bruno Conde (autor), Keber Serrado (intérprete) e Bruno Hohl (letra).

Premiação

A premiação entregue aos vencedores somou R$ 30 mil. “Esta premiação foi possível porque contamos com empresários locais que acreditam no Festival e incentivam a produção musical”, afirmou o vice-reitor, Everson Krum.

Os prêmios foram divididos entre os doze finalistas. Os cinco primeiros colocados na grande final receberam os troféus mais premiação em dinheiro. O primeiro lugar recebeu troféu e R$ 3.500 enquanto o segundo colocado recebeu troféu mais R$ 3.200. Os finalistas, classificados do sexto ao décimo segundo lugares, receberam R$ 2 mil cada. “Tivemos prêmio para melhor intérprete, que recebeu troféu e R$ 500 e a melhor letra com a mesma premiação”, afirma Sandra Borsoi.

Abertura

No discurso de abertura da última noite do Festival, a coordenadora do evento afirmou que esta edição do FUC, que fica para a história da UEPG e da cidade, é o resultado de um esforço conjunto para superar limites. “Muitos agentes universitários, professores, estudantes, vários setores e órgãos da instituição adotaram o FUC como um evento essencial para a promoção cultural da atual gestão universitária”, afirma Borsoi. “Em três dias de evento o público embarcou na emoção da música. Foram espetáculos de diversos Estados brasileiros, que projetaram, através das apresentações, a riqueza da identidade cultural brasileira”, afirma Borsoi.

O vice-reitor, Everson Krum, rememorou o ambiente político do surgimento do Festival na década de 80. “As músicas passavam pela censura da ditadura militar”, lembrou.  “O Diretório Central de Estudantes, ao mesmo tempo em que organizavam o primeiro Festival também lutavam para que o campus Uvaranas fosse destinado à Universidade. Foi pela pressão popular que conseguimos o campus. Os acadêmicos foram até a Assembleia Legislativa do Estado e vencemos por um voto, 18 a 17. Nesse dia, o Fuc atrasou porque aguardávamos quem estava em Curitiba acompanhando a votação”, disse.

Em meio ao público, Krum destacou a presença de Antonio Camargo e Juca Francisquini como pessoas que participaram da organização do primeiro e terceiro FUC. O vice-reitor destacou a Fernando Durante como memória viva da história cultural da cidade.

O presidente da Fundação Municipal de Cultura, Fernando Durante, destacou a origem estudantil do festival. “Eu vi este Festival nascer. Sou muito grato porque eu estava no DCE quando organizamos a primeira edição. Acompanhei quando, na oitava edição, a Universidade assumiu este festival, que é um dos focos de resistência cultural da música popular brasileira”, enfatizou.

Informações Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização