Parque Ambiental tem dez bandas no fim de semana

Mix

10 de agosto de 2019 16:55

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Saiba como reaver valor do ingresso do show da Melim

Com ritmo forte música eletrônica vai balançar PG

Voluntários organizam ‘Feijoada Amiga’ em prol da Apadevi

Grupo de Teatro Cidade de Ponta Grossa encanta o público
Melim desembarca em PG no sábado
Educadora de Palmeira lança livro infantil
Tributo a Raul Seixas acontece neste sábado no Baviera
Bixiga 70 é atração principal deste domingo Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Scalene, Bixiga 70 e mais 8 bandas fazem show no Parque Ambiental; shows gratuitos acontecerão no gramado da Estação Saudade, das 15h às 22h

O Palco Novas Sonoridades promete agitar o final de semana, encerrando a programação do 11º Festival de Música de Ponta Grossa. O line-up do festival, que acontece no gramado da Estação Saudade, das 15h às 22h, terá Scalene (Brasília), Bixiga 70 (São Paulo), Dandara Manoela (Florianópolis), Machete Bomb (Curitiba), Central Sistema de Som (Curitiba) e as ponta-grossenses Cadillac Dinossauros, MUM, hoovaranas, Jerimoon e Índigo. Todos os shows são gratuitos e promovidos pela Prefeitura de Ponta Grossa.

Além das atrações musicais, o final de semana terá ainda a performance cênica-corporal ‘Pequenas Porções de Tempo’ (pelo SESC Encena) e um festival de food trucks, com foco na comida vegetariana e vegana. O objetivo da Fundação Municipal de Cultura é proporcionar um espaço de convívio e novas experiências, em um local agradável aonde as pessoas podem curtir o final de semana com seus amigos e familiares, valorizando sempre a música brasileira.

No sábado (10), a agenda começou às 15h com a banda hoovaranas, seguida por Jerimoon (16h30), Central Sistema de Som (18h), Cadillac Dinossauros (19h30) e fechando com Machete Bomb (21h). Já no domingo, a música começa com Índigo (15h) e segue com Dandara Manoela (16h), com a intervenção cênica Pequenas Porções de Tempo (17h30), com o show de MUM (18h), encerrando com chave de ouro a programação com as bandas Scalene às 19h30 e Bixiga 70 às 21h. “O line up deste ano inclui bandas do Sul que estão surgindo no cenário nacional, atrações que já tocaram em festivais como Rock in Rio, Loolapalooza e SXSW, nos Estados Unidos – e que possuem uma trajetória internacional - e um grande espaço também para as bandas de Ponta Grossa que estão despontando com shows autorais”, destaca o diretor do Departamento de Cultura, Eduardo Godoy.

Palco Novas Sonoridades

Desde 2016 já passaram pelo Palco Novas Sonoridades 31 atrações, de várias partes do país: Marcelo Jeneci (Rio de Janeiro), O Terno (São Paulo), francisco, el hombre (São Paulo), Luiza Lian (São Paulo), Grand Bazaar (São Paulo), Carne Doce (Goiânia), Selvagens à Procura de Lei (Fortaleza), Dingo Bells (Porto Alegre), Bandinha Di Da Dó (Porto Alegre), Orquestra Manancial da Alvorada (Florianópolis), Buguinha Dub (Olinda) e Terra Celta (Londrina), além das curitibanas A Banda Mais Bonita da Cidade, Trombone de Frutas, Confraria da Costa, Gringo’s Washboard Band e Relespública.

O espaço para a música autoral produzida em Ponta Grossa também sempre esteve garantido, passando pelo palco as atrações Cadillac Dinossauros, Alexandre Mello, Solana Dub, Apologia Sul, Brother Soul, Geordani Castilho, A Coisa, Dr. Skrotone & a Máfia do Ska, Índigo, Chave de Mandril, Mantrio, Big Fish Blues, Ursos Caipiras e Trovadores Celtas.

Conheça as bandas

A banda instrumental Bixiga 70 (São Paulo/SP) formou-se a partir da união de vários músicos já conhecidos da cena paulistana e que participavam de projetos desenvolvidos no estúdio Traquitana, no bairro do Bexiga. É formada por Décio 7 (bateria), Marcelo Dworecki (baixo), Cris Scabello (guitarra), Mauricio Fleury (teclado e guitarra), Rômulo Nardes e Gustávo Cék (percussão), Cuca Ferreira (sax barítono), Daniel Nogueira (sax tenor), Douglas Antunes (trombone) e Daniel Gralha (trompete). Os músicos buscam estreitar os laços entre o passado e o futuro através de uma leitura da música cosmopolita de países como Gana e Nigéria, dos tambores dos terreiros, da música malinké, da psicodelia, do dub e de uma atitude despretensiosa e sem limites para o improviso e a dança. Passando pelos maiores festivais e palcos do Brasil, atualmente a banda realiza uma média de mais de 30 shows por ano fora do país, já tendo rodado os cinco continentes e passado pelos principais festivais de música do mundo.

A banda Scalene (Brasília/DF) – vice-campeã do programa Super Star (TV Globo) - é formada por Gustavo Bertoni (guitarra e vocal), Tomás Bertoni (guitarra), Lucas Furtado (baixo) e Philipe Mkk Nogueira (bateria e vocal). Na estrada desde 2009, os integrantes chegaram a festivais relevantes, entre eles o South by Southwest - SXSW (nos EUA), o Rock in Rio (Palco Mundo) e o Lollapalooza Brasil (por dois anos), além de terem conquistado o Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa. Com 400 mil ouvintes mensais no Spotify, a banda é tida como expoente do rock nacional.

hoovaranas (Ponta Grossa) lançou o primeiro álbum solo em 2019 com o título ‘Poluição Sonora’. A banda é formada por Eric Santana (bateria), Rehael Martins (guitarra) e Jorge Bahls (baixo). Essencialmente psicodélico, o disco passa por diversos estilos musicais: começa com Surf Music, passa pelo Rock Progressivo e Psicodélico, faz uma referência ao Baião, Tango, Música Egípcia, Música Indiana e acaba no Stoner Rock.

Formada em 2015 a banda Jerimoon (Ponta Grossa) tem a proposta de resgatar canções ‘esquecidas’ da Música Popular Brasileira. Tocando clássicos que há tempos não são tocados, a banda criou um estilo próprio chamado de ‘bregacore’, uma mistura de ritmos que envolvem os clássicos do famigerado brega nacional, reinventado em estilos como Ska, Punk e Hardcore, que dão ao som da banda uma identidade única. A banda, composta por Alain Barros (vocal), Giovanni Biancato (guitarra/teclado), Jean Edilson Butkus Bail (bateria), Kairo Frank Vaz Oliveira (guitarra) e Danilo Alessi (contrabaixo), já passou pelo palco do Festival de Música de Ponta Grossa em 2017, München Fest e foi a banda campeã, por voto popular, do Festival Sou+Música em 2015.

Central Sistema de Som (Curitiba) é uma banda curitibana de groove autoral independente, composta por artistas que transitam entre o popular e o underground. Com referências rítmicas como o funk dos anos 70, afrobeat, reggae roots, dub e a música popular brasileira, o grupo criou um estilo consistente que brotou dessa miscigenação. Na ativa desde 2009, a Central também possui influências da cultura hip hop, que se traduz em seu estilo cosmopolita. Em 2016, lançou o DVD ‘Sete Bilhões de Vozes’ e, em 2018, o álbum ‘Estamos em Groove’, que traz uma pegada social, poética e direta.

A banda Cadillac Dinossauros (Ponta Grossa) é formada por David Barros (vocal e guitarra), Billy Joy (bateria) e Hugo Alex (baixo). A banda ponta-grossense surpreendeu o público carioca, vencendo dois importantes festivais nacionais de música: o FBI (Festival de Bandas Independentes) e o DMX (Digital Music Experience).

Machete Bomb (Curitiba) é formada por Vitor Salmazo (vocal), Otávio Madureira - ‘Madu’ (cavaquinho), Rodrigo Spinardi (percussão), Rodrigo Suspiro (baixo) e Daniel Perim (bateria), surpreendendo pela sonoridade e performance. O grupo já ultrapassou mais de dois milhões de visualizações em seus clipes ao vivo, bateu recorde de visualizações no Showlivre e foi a primeira banda do sul do país no AudioArena (Youtube/BIS).

Criada no início de 2015, a Índigo (Ponta Grossa) é uma banda autoral independente formada por Digo Bittar, André Bornmann, Renan Costa e Patrick Vasconcelos. Em 2017, dentre mais de 200 bandas inscritas, conquistou com a música ‘Estagiário’ uma das 10 vagas para participar do 16° Festival Expressão Livre, de Monte Sião/MG, onde garantiu a 2ª colocação do Prêmio Marcos Roberto Cheres, por votação popular. Nesse mesmo ano foi classificada para participar do 30° Festival Universitário da Canção (FUC), onde se apresentou com a música intitulada ‘Meio Diferente’.

Dandara Manoela (Florianópolis/SC) é cantora, compositora e percussionista. Sua pluralidade musical representa um símbolo de resistência das manifestações culturais afro-brasileiras e de afirmação da mulher negra e lésbica no campo artístico. Além das composições autorais, Dandara faz interpretações de samba, MPB e brasilidades em parceria com musicistas catarinenses. Também integra a banda de samba reggae Cores de Aidê como vocalista. Em 2017, venceu o Prêmio da Música Catarinense nas categorias melhor cantora e artista revelação com a Orquestra Manancial da Alvorada, da qual era integrante na época. Em 2018, no mesmo prêmio, venceu a categoria Melhor Álbum com o ‘Retrato Falado’. Recebeu, em 2018, homenagem da ONG Anitas Liberta, como símbolo de resistência e pluralidade e, em 2019, a medalha Cruz e Souza, que presta homenagem às pessoas negras ou defensores da raça negra no município de Florianópolis.

Gabriela Cordeiro de Paula (Ponta Grossa), mais conhecida pelo nome artístico MUM, é uma cantora e compositora paranaense. O nome MUM vem da abreviação de ‘Mais Uma Mulher’, mas também representado por escrita e sonoridade tem mais dois significados: a mãe (‘mum’, do inglês) e a lua (‘moon’, do inglês). A tríplice da mãe, da lua e da mulher une três pontos chaves nas composições da cantora. A banda é composta pelos musicistas Rafael Arcoverde (guitarra), Walace Matheus (baixo), Lorena Smiguel (piano/synts), Wlader Better (bateria) e Luna Lazuli/Cristian Oliveira (violino).

Informações Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede