TV aberta não olha para o telespectador de amanhã

Mix

14 de fevereiro de 2020 04:00

Da Redação


Relacionadas

Globo volta a autorizar gravações de novelas no exterior

Cidades da região caem na folia neste carnaval

“Gênesis” vem com uma proposta de novela bem diferente

Infográfico conta a história do Carnaval pelo mundo
Conheça os novos personagens de Resident Evil
Vice da Band vê “projeto político” por trás da criação da CNN Brasil
Bloco dxs Polacxs invade praça neste sábado em PG
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A programação infantil na televisão convencional, indispensável durante muito tempo e também responsável pelo surgimento de grandes talentos, hoje está resumida aos desenhos do SBT e algumas poucas realizações da TV Cultura.

No mais, só na TV por assinatura, total que chega a 13 canais, com oferecimentos dos mais diversos. A proibição da propaganda infantil, de fato, foi decisiva para acabar com as pretensões das grandes emissoras e invalidar quaisquer tentativas de novos investimentos.

Mantidas as condições atuais, para todo o sempre uma faixa bem significativa de público não será contemplada com realizações na altura do “Sítio do Pica Pau Amarelo”, “Castelo Rá-Tim-Bum”, “Vila Sésamo”, até mais antigos como “Grande Ginkana Kibon”, “Circo do Arrelia”, “Turma dos 7” etc. Porém este é um caso que ainda cabe melhor análise.

Se são tantos os canais fechados, operando 24h, o retorno comercial e de audiência com certeza são os mais compensadores.

E o que nos leva também a concluir que, além de não haver qualquer perspectiva, também falta criatividade nas grandes redes de televisão em melhor atender desde agora aquele que poderá vir a ser o seu telespectador de amanhã.

PUBLICIDADE

Recomendados