TV aberta não olha para o telespectador de amanhã

Mix

14 de fevereiro de 2020 04:00

Da Redação


Relacionadas

Pizzaria Halley lança promoção em pizzas e calzones

Criador do Festival de Teatro estará no Aula Show

Paraná Turismo coloca Vila Velha na vitrine do mundo

Documentário brasileiro disputa a melhor produção em festival
Artista Fernanda Pavão comenta sobre Arte Contemporânea
Alorino faz live beneficente no Dia dos Pais
Liberação de R$ 3 bi da Lei Aldir Blanc será por meio de plataforma
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A programação infantil na televisão convencional, indispensável durante muito tempo e também responsável pelo surgimento de grandes talentos, hoje está resumida aos desenhos do SBT e algumas poucas realizações da TV Cultura.

No mais, só na TV por assinatura, total que chega a 13 canais, com oferecimentos dos mais diversos. A proibição da propaganda infantil, de fato, foi decisiva para acabar com as pretensões das grandes emissoras e invalidar quaisquer tentativas de novos investimentos.

Mantidas as condições atuais, para todo o sempre uma faixa bem significativa de público não será contemplada com realizações na altura do “Sítio do Pica Pau Amarelo”, “Castelo Rá-Tim-Bum”, “Vila Sésamo”, até mais antigos como “Grande Ginkana Kibon”, “Circo do Arrelia”, “Turma dos 7” etc. Porém este é um caso que ainda cabe melhor análise.

Se são tantos os canais fechados, operando 24h, o retorno comercial e de audiência com certeza são os mais compensadores.

E o que nos leva também a concluir que, além de não haver qualquer perspectiva, também falta criatividade nas grandes redes de televisão em melhor atender desde agora aquele que poderá vir a ser o seu telespectador de amanhã.

PUBLICIDADE

Recomendados