Ibope tornou-se insuficiente na medição do desempenho dos programas

Mix

21 de maio de 2020 05:30

Da Redação


Relacionadas

PG ganha drive-in para sessões de filmes e eventos

Dupla Zé Vinicius e Rafael realiza live solidária sábado

Produção literária de PG não para durante a quarentena

Coro municipal faz sucesso na internet com música de Pixinguinha
Cultura divulga resultado dos recursos do Profice
Grupo BO Paper faz parceria com o Pegaí
Crônicas dos Campos Gerais: ‘Os óculos’
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Nos tempos atuais, com tantas outras ferramentas à disposição, Instituto de pesquisa não é mais a grande referência

No podcast #UOL Vê TV, sempre na alegre companhia de Débora Miranda, Chico Barney e Maurício Stycer, um dos assuntos abordados foi o enorme barulho causado pelo último “Roda Viva”, que teve Felipe Neto como convidado.

Primeiro, um detalhe: é muito bom verificar como esse programa meio que ressurgiu das cinzas. Em julho do ano passado, a partir do instante em que Daniela Lima assumiu a sua apresentação e desde janeiro sob o comando de Vera Magalhães, duas competentes jornalistas, o programa pegou um embalo completamente diferente.

Voltou aos seus bons tempos, sempre recebendo convidados bem interessantes. Felipe Neto, segunda passada, entre eles.  E a questão colocada no podcast foi a repercussão da sua entrevista, tanto no momento em que ela estava no ar como depois e até no dia seguinte.

Vai daí que não tem mais nada a ver medir o desempenho de qualquer programa só pelo que os números do Ibope friamente indicam. Isso, nos tempos atuais, com tantas outras ferramentas à disposição, tornou-se completamente injusto. Está muito longe de corresponder à realidade. O sucesso deste último “Roda Viva” é só mais uma prova, provada.

PUBLICIDADE

Recomendados