Professores se inspiram em Van Gogh para ensinar conteúdos

Mix

22 de setembro de 2020 21:00

Da Redação


Relacionadas

Com Covid, cantor Jorge Aragão é internado em UTI de hospital

Orlando Drummond, o Seu Peru faz 101 anos neste domingo

Acessórios trazem referências variadas na moda verão 2021

Banda Índigo de PG lança novo videoclipe
Paraquedismo traz desafio nas alturas para praticantes
Aluna faz homenagem para os professores
Gusttavo Lima copia texto da internet para falar da separação
PUBLICIDADE

Professores se reinventaram neste período de isolamento social para levar o ensino aprendizagem aos alunos

O que crase, artes e matemática cósmica têm em comum? Todos esses conteúdos podem ser explicados a partir da análise da obra do pintor holandês Vincent Van Gogh. Foi o que fizeram os professores Diony Rodrigues, Andreza Pessôa e Morgana Carvalho, do Colégio Positivo, no Paraná. De forma lúdica e criativa, os educadores exploraram conceitos complexos, como a matemática cósmica, que físicos do mundo todo demoraram anos para compreender, de um uma maneira nova para todos: remotamente. Afinal, esse tem sido o desafio desde que a escola passou do presencial para o virtual. 

Diony é professor de artes do Colégio Positivo - Master, em Ponta Grossa. Ele ainda estava com a imunidade baixa, recuperando-se de dengue, isolado no sítio da família, para se proteger do novo coronavírus. E, em meio a isso, deparou-se com o “novo normal”: gravar aulas de artes on-line para os alunos do Ensino Médio. “Eu só tinha o celular e alguns livros no sítio. Bateu o frio na barriga. Como gravar aulas que não ficassem chatas e com os poucos recursos que eu dispunha? Tinha que ser lúdico, mas também precisava ter conteúdo, informar de um jeito leve”, disse o professor.

Diony se reinventou. Fez os alunos se sentirem no lugar do artista. Para as primeiras aulas, foi para o meio da plantação a fim de gravar sobre o movimento Realista na Europa, o qual valorizava o que não era aceito nas artes da época, como o camponês. Pegou roupas e tintas velhas e se caracterizou, com muita fidelidade, de modo a representar um dos autorretratos do artista. E, assim, ele conseguiu um engajamento enorme dos alunos – foi uma das aulas de maior sucesso do professor. Dessa perspectiva, conseguiu mostrar que, se Van Gogh tivesse sido aceito do jeito que era, em sua época, não teria morrido tão cedo. De quebra ainda ensinou aos alunos sobre empatia e pensamento crítico. “São aulas que eles vão lembrar lá no vestibular, ou ensinamentos que vão levar para a vida toda”, comenta o professor, feliz com o resultado que conseguiu com tão poucos recursos.

A estudante Maria Luisa Dalzoto Ribeiro, de 15 anos, conta que agora sabe na ponta da língua sobre a infância de Van Gogh, a briga de família e as características de cada uma das quatro fases do artista. “São coisas que ficam marcadas para sempre, não só do conteúdo, mas do professor. A gente vê que ele se dedicou. Nos faz sentirmos mais importantes e nos motiva a aprender, pois é uma aula diferente das outras. E o Diony ficou muito parecido com o autorretrato. Melhor caracterização que já vi. A aula termina, a turma já começa a comentar sobre o que viu. Todos adoram”, diz.

Entre verbos e crases

Engana-se quem pensa que é somente na aula de artes que Van Gogh ganha a atenção dos alunos. Nas aulas de Língua Portuguesa da Andreza, que leciona para turmas do 9º ano, no Colégio Positivo - Jardim Ambiental, em Curitiba, o tema é crase e análise sintática. “Vimos que, com o decorrer das semanas, os alunos foram cansando. Eu percebi que precisava fazer algo a mais para eles voltarem a ser mais participativos. Aí tive a ideia de me caracterizar de artistas diversos. As gestoras apoiaram e foi um sucesso. A ideia não era linkar o artista ao conteúdo que eu estava ensinando. Era só despertar mais a atenção mesmo. Inicio a aula com a leitura de uma frase, de um trecho, de um poema da personalidade do dia para tocá-los, para fazê-los refletir. Enfim, já fiz uma caracterização por semana”, diz Andreza, que além de Van Gogh, já se vestiu de Frida Kahlo, Afarin Sajedi, Fernando Pessoa e até da personagem infantil Smurfete, para dar aquela descontraída na última semana antes do recesso de julho.

“Antes, os alunos não usavam muito o microfone, não participavam muito. Agora são muito mais ativos, ativam o microfone para responder às perguntas. E ficam supercuriosos perguntando qual será a caracterização da próxima semana. Mas eu faço suspense. O domingo é o meu melhor dia da semana. Eu relaxo e me divirto trabalhando na fantasia da semana seguinte. Faço isso para manter a saúde mental – minha e deles – nesse isolamento. Ser professor é algo mágico, é a oportunidade de tocar vidas de diferentes maneiras”, diz Andreza. “As caracterizações têm ficado tão boas que eles me perguntam que horas eu acordo para fazer tudo aquilo”, completa ela, explicando que as aulas caracterizadas iniciam às 8h da manhã e são ao vivo.

Quem garante que as caracterizações realmente chamam atenção para a aula é Caio Bianchini, 14 anos, aluno de Andreza. “As fantasias são inesperadas e tornam a aula bem interessante. Além da Língua Portuguesa, também aprendi sobre quadros de Van Gogh que eu já conhecia, mas não sabia que eram dele. No começo, achei muito difícil as aulas on-line. Era pesado, muito cansativo. Até ver um professor caracterizado, que começou a tornar a aula muito mais dinâmica. A gente vê que ela se dedicou daquela forma por nós. Motiva a prestar mais atenção”, diz o jovem, que garante que aprendeu bastante sobre crase com “Van Gogh” e análise sintática com a “professora Fernando Pessoa”.

E não é só dos alunos que as aulas caracterizadas estão chamando a atenção. Até os pais estão participando com os filhos. “O Caio sempre foi bom aluno. Mas ter interesse por aula on-line já é outra história. E ele começou a comentar muito da professora, do jeito que ela se caracterizava para as aulas, que ficamos curiosos em ver a aula”, diz Leila Wrobel Schatz, mãe do Caio. Ela garante que isso melhorou muito o interesse e a curiosidade do filho para a disciplina. “Independentemente da faixa etária, a aula tem que despertar o interesse do aluno. Ainda mais de adolescentes, que já fazem escolhas por conta própria. E essa professora conseguiu. Tivemos uma reunião de pais recentemente e todas as mães falaram muito bem do trabalho da professora Andreza”, analisa Leila.

Até a aluna Julia Mazza Auer, de 14 anos, que gosta mais das disciplinas exatas, está animada com as aulas de Língua Portuguesa, graças ao trabalho de caracterização de Andreza. “A Julia acorda toda empolgada para as aulas de Língua Portuguesa”, conta Elisangela Auer, mãe da Julia.

Matemática Cósmica

Mas se tem algo que os físicos do mundo todo demoraram anos para entender e comprovar é a mecânica dos fluídos, retratada em um dos quadros mais famosos de Van Gogh, “A Noite Estrelada”. Para uma web série sobre mitos e verdades das Artes do Colégio Positivo, a professora de Artes Morgana Carvalho teve o desafio de explicar o assunto universitário avançado para os estudantes. Com três anos cursados de Engenharia Civil e formada em Artes, Morgana explicou aos alunos que Van Gogh teve diversos episódios de esquizofrenia e surtos psicóticos no fim da vida e que, possivelmente, foi em um desses surtos, observando o céu, que o artista holandês conseguiu retratar o movimento do cosmos exatamente igual eles realmente fluem no céu. Agora, a professora também trabalha com os autorretratos do artista na Educação Infantil e segue encantando crianças de todas as idades.

PUBLICIDADE

Recomendados