Idioma Plautdietsch é inscrito como Patrimônio Cultural

Mix

30 de outubro de 2020 15:28

Da Redação


Relacionadas

Live às 19h abre exposição do MON em Ponta Grossa

Crônicas dos Campos Gerais: “A Bomboniere Aurora”

Professor promove palestra sobre a Semana da Consciência Negra

Coleções de moda destacam-se por diferentes culturas
Mostra de Talentos será exibida online neste sábado
Escritora de PG lança novo livro
Museu Paranaense traz mostra em parceria com Fundação
PUBLICIDADE

O idioma pertencente a história de Palmeira, desde a colonização da comunidade, em meados de 1951

O quinto bem patrimonial imaterial inscrito no Livro Tombo do Município, o idioma Plautdietsch da Colônia Witmarsum, inscrito na tarde de ontem (28) por meio de uma cerimônia simbólica seguindo as orientações da vigilância sanitária.

O idioma pertencente a história de Palmeira, desde a colonização da comunidade, em meados de 1951. “Esse idioma é uma parte importante e tem toda a alma da nossa comunidade. Enquanto museu juntamente a Associação Comunitária dos Proprietários de Witmarsum (ACPW) representada por Rubens Kliewe, estamos determinados a fazer o que pudermos para transcender nossas origens para as futuras gerações. Agradecemos a Prefeitura pelo respaldo e apoio”, comentou o diretor do Heimat Museum Witmarsum, Ricardo Phillipsen.

O Secretário de Cultura, Waldir Joanassi, destacou a importância do idioma fazer parte do Livro Tombo do Município. “O Plautdietsch é muito importante para a comunidade e para todos os palmeirenses, pois carrega fortemente aquilo que somos e de onde viemos. Alicerçar o idioma é essencial, esse primeiro passo contribuirá para a criação de mecanismos para que consigamos ensinar as crianças seja através da música, poesia entre outras formas. Como secretário de cultura digo que Witmarsum foi um dos meus desafios. Ricardo e Rubens fico muito feliz pela articulação e parceria ao longo desses anos”, finalizou o Secretário.

Paulo Taufer, Chefe de Cultura e Historiador, ressalta as características próprias da trajetória dos menonitas em Palmeira. “Como língua minoritária e arraigada à tradições anteriores aos nacionalismos, sua sobrevivência sempre foi uma questão de afirmação identitária dos grupos menonitas. Tanto que o plautdietsch falado na colônia de Witmarsum possui características únicas, próprias da trajetória desses menonitas viventes no Brasil, e Palmeira é a cidade onde reside o maior número de falantes desse dialeto tão característico”, comentou.

Para o prefeito Edir Havrechaki a iniciativa pretende contribuir para a proteção, divulgação e estímulo do Plautdietsch, enquanto idioma original dos habitantes da Colônia. “Acreditamos que manter nossa história viva é dever do poder público juntamente às pessoas certas, que partilham deste comprometimento. O primeiro passo foi dado e acreditamos firmemente que a comunidade, referência em Palmeira e no Paraná, está preparada para fazer jus a esse reconhecimento e conquistar seus objetivos no que se refere aos cuidados com suas tradições”, disse Havrechaki.

Colônia Witmarsum:

A Colônia Witmarsum está localizada no município de Palmeira, a 60 quilômetros de Curitiba. A colônia é formada por um cooperativa agropecuária, referência na produção de leite e queijos. Hoje, o local conta com 1500 habitantes e preserva todas as referências à cultura alemã, desde a religião até o idioma, que você vai ouvir o tempo todo entre eles. A culinária típica como tortas e salsichas alemãs, além dos tradicionais eisbein (joelho de porco), chucrute e marreco recheado fazem parte da gastronomia afetiva do lugar.

PUBLICIDADE

Recomendados