PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Crônicas dos Campos Gerais: ‘Divagando’

Mix

12 de maio de 2021 09:00

Da Redação


Relacionadas

Saída de Faustão pode tirar Tiago Leifert do BBB

Coluna 'Trilha da Fé': Monumento à Bíblia - marco de fé

Coluna Estilo e Moda por Silvana Hass desta semana (12/06)

Mês de Junho é o mês das grandes paixões
Confira a Coluna Ponta Lagoa dessa semana (12/06)
Faustão segue internado em SP para tratar infecção urinária
Fotos noturnas realçam a beleza da Catedral de PG
Sueli Fernandes, professora aposentada, filha da escritora, trovadora e artista plástica Amalia Max. Formada em História pela UEPG. Publicou seu primeiro livro 'Aconteceu ComigoComigo... - viagens pelo mundo'; em 2019. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Texto de autoria de Sueli Maria Buss Fernandes, Professora aposentada, Ponta Grossa, produzido no âmbito do projeto Crônica dos CamposGerais da Academia de Letras dos Campos Gerais 

 

Fim de festa no clube campestre. As luzes começam a apagar-se. Somente a lua cheia ilumina fracamente as mesas onde há pouco houvera uma comemoração. O silêncio impera, os convidados se foram. Toalhas de linho branco usadas em eventos especiais refletem a luz da lua, pratos com resquícios do que foi servido, algumas taças de vinho tombadas sobre as toalhas, pingos do líquido roxo a manchá-las de rosado. A piscina silenciosa adornando o cenário parece alheia ao que acontece. Tocados pela brisa, objetos infláveis balançam suavemente na água azul, da piscina do Verde.

Tiro o paletó, deixo a gravata mais frouxa, e me sirvo de mais uma taça de vinho. Vou degustando-o lentamente, sozinho com meus pensamentos. Sobre a mesa um saca-rolhas, objeto de utilidade única. Tomo-o nas mãos e passo a analisá-lo, entre um gole e outro, observando seus detalhes aos quais nunca havia dado importância. Uma alça para apoiar a mão com firmeza e uma sucessão de curvas, como uma serpentina, até a ponta aguda e cortante. As ranhuras do saca-rolhas se engancham na cortiça da rolha e arrancam-na como um fórceps. Gritos de alegria, taças ao alto e vivas a algum fato que se esteja comemorando.

O vinho é uma bebida socialmente aceita por homens e mulheres. Ao redor da mesa num almoço familiar o vinho acompanha a tradicional macarronada. Se alguém chama para uma pizza é comum que um convidado chegue com uma garrafa do indefectível líquido. Por sua cor intensa o vinho denota paixão, é um elemento de sedução e de conquista. Fatalmente estará na taça de alguém que se embriague de amor e se desiluda com ele. Baco, deus do vinho, foi o primeiro a sentir o sabor da bebida feita com a uva cruelmente amassada e depois fermentada.

Continuo manipulando o objeto e lembro da música de Roberto Carlos sobre as curvas da estrada de Santos. Quase uma analogia a um saca-rolhas. Como voam meus pensamentos! Passam pela Chácara Sozim, produtora de uvas, de suco e de vinho coloniais, usando técnica artesanal herdada dos antepassados. Pelas parreiras com enormes cachos trapezistas. Pela Fesuva, nossa tradicional festa anual da uva que busca fomentar a produção familiar da fruta. Pelas delícias comercializadas numa feira organizada pela cidade.

Minha taça está vazia e a alma leve. O sol pede licença para assumir seu turno enviando os primeiros raios dourados. Carrego meu paletó num ombro só e caminho pela rua deserta em direção ao centro de Ponta Grossa.



PUBLICIDADE

Recomendados