PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Artistas têm até hoje para se inscrever em Bolsa da UEPG

Mix

11 de outubro de 2021 14:45

Da Redação


Relacionadas

Fundação de Cultura promove 3ª edição do PG Memória

Confira a Coluna RC desta terça-feira (19-10)

Coro Municipal de PG lança clipe nesta semana

Biquínis e maiôs chegam renovados para o verão 2022
Confira a Coluna Ponta Lagoa dessa semana (16/10)
Confira a Coluna RC deste sábado (16-10)
As muitas histórias dentro de 100 anos
O artista que teve sua inscrição indeferida tem até esta segunda-feira (11), as 23h59 para regularizar sua inscrição na Bolsa de Qualificação Cultural. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

O artista que teve sua inscrição indeferida tem até esta segunda-feira (11), as 23h59 para regularizar sua inscrição na Bolsa de Qualificação Cultural

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) divulgou  na última quarta-feira (06), a lista das inscrições deferidas e indeferidas do Programa Bolsa Qualificação Cultural. O trabalhador ou trabalhadora da cultura do Estado do Paraná, que teve sua inscrição indeferida devido à apresentação incompleta da documentação, de acordo com o item 3 do Edital nº 02/2021, poderá refazer a sua inscrição até às 23h59 de 11 de outubro de 2021.O processo deve ser realizado de forma on-line, no mesmo endereço eletrônico das inscrições: https://u.uepg.br/bolsacultura ou https://inscricoes.apps.uepg.br/.

As inscrições deferidas serão homologadas após a submissão destas no sistema Dataprev, conforme item 6.1 do edital. O resultado, após recursos dos aprovados, será publicado em Diário Oficial do Estado e divulgada nas páginas da UEPG e da SECC em 18 de outubro.

Sobre o Programa

O Programa Bolsa Qualificação Cultural, iniciativa da Secretaria da Comunicação e da Cultura, via Superintendência-Geral da Cultura, recebeu um total de 13.121 inscrições de todo o estado do Paraná no período entre 15 de setembro e 4 de outubro. Parceria com a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), O êxito no preenchimento das 12 mil vagas disponíveis no Programa se deve a um conjunto de fatores. Além do grande empenho de divulgação nas redes sociais e na mídia tradicional, a SECC, em parceria com a UEPG e a Secretaria de Estado da Justiça Família e Trabalho (SEJUF), por meio das Agências do Trabalhador, encarregou técnicos a percorrerem aldeias indígenas, quilombolas e outras comunidades de difícil acesso e conexão com a internet para orientar e auxiliar as inscrições. Essas pessoas poderão participar das aulas com material impresso e apoio de agentes de referência dos municípios. Até a antiga forma de comunicação por cartazes foi usada para chegar no interior do estado, já que todos os municípios têm direito às vagas de forma proporcional à população.

“Estamos muito contentes com o sucesso nas inscrições do Programa Bolsa Qualificação. Foi um esforço coletivo de diversas equipes para que essa oportunidade chegasse a todos e todas que precisam. O Paraná pode se orgulhar de ter o maior programa de qualificação cultural do país, que não é apenas um auxílio, mas uma semente para o futuro. Os participantes irão melhorar seus conhecimentos sobre a participação em editais e assim fomentar ainda mais a cultura do nosso Estado”, afirma Luciana Casagrande Pereira, superintendente-geral da Cultura do Paraná.

O projeto é executado pela UEPG, por meio do acompanhamento e assessoramento técnico, pedagógico e operacional de facilitadores contratados pela Universidade. Carlos Willians Jaques Morais, coordenador geral do Programa na UEPG, detalha que o Programa será desenvolvido por meio de 11 cursos, em diferentes linguagens artísticas, escolhidos pelos próprios cursistas. Ele destaca ainda que toda a proposta será desenvolvida na modalidade de educação a distância. “Entendemos esse trabalho como a realização de política pública na área da cultura, que atende socialmente a classe artística por meio do pagamento de bolsas num total de R$ 3.000,00 para cada cursista. Pela nossa experiência na EaD, a UEPG tem um papel determinante nesse programa: fazer chegar conhecimento e cultura nas comunidades mais distantes e fragilizadas pelo contexto da pandemia.

Recursos

A Lei Aldir Blanc, como ficou denominada a Lei Federal nº 14.017 de 29 de junho de 2020, foi elaborada pelo Congresso Nacional e destinou R$ 3 bilhões para atender ao setor cultural do Brasil, maior afetado com as medidas restritivas de isolamento social impostas em razão da pandemia de Covid-19. Em 2021, a Lei foi prorrogada, estendendo a possibilidade de estados e municípios façam a utilização dos recursos em prol do setor cultural.

PUBLICIDADE

Recomendados