PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

‘Pigcasso’ bate recorde com quadro de R$ 150 mil

Mix

04 de janeiro de 2022 13:00

Da Redação


Relacionadas

Moda: Elegância alinhada ao conforto.

Confira a coluna RC deste sábado (21/05)

MC Bin Laden grava músicas com integrantes do Gorillaz

Maísa é cotada para assumir o 'Vídeo Show' em 2023
Confira a coluna RC desta sexta-feira (20/05)
Destaque no The Voice Kids conversa com o Portal aRede
Arte contemporânea é tema de debate em espaço multicultural
Porca pintora bate recorde no mundo da arte. Foto: REUTERS/Sumaya Hisham
PUBLICIDADE

Porca pintora bate recorde no mundo da arte

O mundo da arte bateu mais um recorde e, dessa vez, o quadro que encheu os olhos dos expectadores saiu das mãos — ou melhor, das patas — de uma porquinha. Pigcasso, como é chamada, é a responsável pela pintura “Wild and Free” (Livre e Selvagem), vendida por nada menos que 20 mil euros (R$ 150 mil), a mais cara a ser produzida por um animal.

A porca, cujo nome é uma aglutinação das palavras “Pig” (porco, em inglês) e Picasso, um dos maiores nomes da arte, vive na África do Sul e é famosa por suas telas coloridas e abstratas. Esta última, que bateu o recorde até então pertencente ao chimpanzé Congo, que vendeu um quadro por R$ 90 mil em 2005, foi adquirida por um alemão cerca de 72h após ir à venda.

No Instagram, Pigcasso acumula mais de 41 mil seguidores e engana quem acha que ela é nova no ramo da arte. Em março, a porquinha levou para casa R$ 17,9 mil em um quadro que, segundo a interpretação de sua dona, Joanne Lefson, retrata o príncipe Harry. Além dele, o animal também pintou a rainha Elizabeth, tela que lhe rendeu R$ 15,2 mil desembolsados por um comprador de Londres.

Carreira e ativismo

É também na rede social de Pigcasso que Lefson chama a atenção para os “efeitos devastadores da pecuária”, conforme pontua na biografia do Instagram. A mulher é dona da porquinha desde 2016, quando a salvou de um abatedouro apenas um mês após seu nascimento, na Cidade do Cabo.

Foi por acaso que Lefson descobriu o talento do animal para a arte. Sem se dar conta, ela esqueceu alguns pincéis velhos na baia de Pigcasso, que logo demonstrou interesse em usá-los. Ela, então, decidiu incentivar o talento e, aos cinco anos de idade, a porquinha já produziu mais de 400 obras de arte.

De acordo com a dona, todos os valores arrecadados são revertidos para um fundo que mantém o santuário para animais que ela administra na África do Sul.

Yahoo!Notícias com informações do portal O Globo.

PUBLICIDADE

Recomendados