PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

George quer abrir CPI para investigar pagamento de contas de energia

Ponta Grossa

18 de abril de 2017 18:12

Afonso Verner


Relacionadas

Secretária de Segurança prevê Ponta Grossa 100% monitorada

Obras de maltaria em PG terão início em março

Muffato construirá hipermercado no Jardim Carvalho

Prefeitura retira 10 toneladas de lixo em arroios após temporais
PG registra 999 novos casos da covid nesta sexta
Stocco aciona MP sobre filas em atendimentos de Ponta Grossa
Alunos do Colégio Agrícola e Caic são premiados na OBMEP
Foto: Imagem: CMPG
PUBLICIDADE

Vereador apresentou contas de locais desativados há mais de dez anos. Prefeitura afirma que está revendo faturas

O vereador George de Oliveira (PMN) quer que a Câmara Municipal de Vereadores de Ponta Grossa (CMPG) instale uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar o pagamento de contas de energia “suspeitas”, na visão do vereador. O pedido deverá ser formalizado ainda nos próximos dias e foi motivado após George conseguir, via requerimento, as cópias de contas de energia elétrica que integram a renegociação de dívidas entre a Prefeitura de Ponta Grossa e a Companhia Paranaense de Energia (COPEL).

A reportagem do Jornal da Manhã e do portal aRede teve acesso aos documentos. As faturas mostram, por exemplo, o pagamento de contas de energia do módulo da Polícia Militar no Jardim Carvalho – local foi desativado há anos e o espaço que era ocupado pelo módulo não existe mais. Além disso, Oliveira também expôs contas oriundas da Usina de Asfalto da Prefeitura no Distrito Industrial, local fechado há pouco mais de um ano.

“Na minha opinião essas contas são a prova de que a gestão financeira da Prefeitura não está sendo bem feita, não é cabível que o município pague uma fatura de um lugar que está desativado há uma década”, cobrou o vereador. Via assessoria de comunicação, a Prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos está realizando um levantamento das contas do município, a fim de identificar irregularidades e gastos anormais. “Esse levantamento deve ser finalizado até o final do mês de abril e a expectativa é de diminuição de despesas”, afirmou em nota.

As faturas apresentadas por George (PMN) fazem parte da renegociação aprovada recentemente pelo Legislativo Municipal entre a Prefeitura e a Copel. O projeto de lei (PL) 50/2017 de autoria do Poder Executivo prevê a renegociação de uma dívida de inicialmente R$ 5,8 milhões ao longo de 60 meses – ao final do pagamento o valor será de R$ 8,8 milhões – o PL foi aprovado e aguarda a sanção do prefeito Marcelo Rangel (PPS).

Entre os documentos apresentados por George estão faturas do Módulo Policial do Jardim Carvalho referentes ao mês de fevereiro de 2017 no valor de R$ 97,65. Além disso, a renegociação de dívidas prevê o pagamento de uma fatura de R$ 1.399,42 da Usina de Asfalto no Distrito Industrial.

Secretário ressalta esforços para cortar custos

Ainda via assessoria de comunicação, a secretaria de Administração e Recursos Humanos, comandada por Ricardo Linhares, informou que está trabalhando com ações mais eficientes de gestão, com estratégias como a criação de uma Central de Veículos, para controle do uso, e a exigência do batimento de ponto para todos os servidores municipais, efetivos e comissionados. As ações fazem parte de um pacote de dados que tem como objetivo conter gastos nas diversas áreas do serviço público municipal.

Vereador terá que conquistar assinaturas no Legislativo

Para conseguir emplacar a CPI ou mesmo uma CEI (Comissão Especial de Investigação), George de Oliveira (PMN) terá que conquistar assinaturas nos bastidores do Legislativo Municipal. Além de George, atualmente apenas outros quatro vereadores tem participado do grupo de oposição, entre eles Ricardo Zampieri (SD), Geraldo Stocco e Pietro Arnoud (ambos da REDE) e Sargento Guiarone (PROS).  

PUBLICIDADE

Recomendados