PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara rejeita renegociação de dívida do FGTS

Ponta Grossa

19 de abril de 2017 15:15

Afonso Verner


Relacionadas

Secretária de Segurança prevê Ponta Grossa 100% monitorada

Obras de maltaria em PG terão início em março

Muffato construirá hipermercado no Jardim Carvalho

Prefeitura retira 10 toneladas de lixo em arroios após temporais
PG registra 999 novos casos da covid nesta sexta
Stocco aciona MP sobre filas em atendimentos de Ponta Grossa
Alunos do Colégio Agrícola e Caic são premiados na OBMEP
PUBLICIDADE

Legislativo Municipal rejeitou projeto de lei 79/2016 de autoria do Poder Executivo. Dois vereadores da Base Governista votaram contra o PL

Os vereadores de Ponta Grossa rejeitaram, em segunda discussão, o projeto de lei 79/2016 de autoria do Poder Executivo. O PL previa a renegociação de uma dívida de R$ 25,9 milhões entre a Prefeitura e a Caixa Econômica Federal (CEF) – o débito é fruto do não recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos servidores municipais. O PL previa a renegociação do débito pelos próximos 60 meses e recebeu 14 votos favoráveis e sete contrários.

Além da oposição, vereadores da base votaram contra o projeto, entre eles o vice-presidente do Legislativo Municipal, Dr. Zeca (PPS) e Professora Rose (PPS), além dos oposicionistas Pietro Arnaud e Geraldo Stocco, ambos da REDE, George de Oliveira (PMN)m Ricardo Zampieri (SD) e Dr. Magno (PDT) – a medida precisava da chamada “maioria qualificada” (15 votos) para ser aprovada.

Segundo o PL, R$ 7,2 milhões da dívida são referentes ao não recolhimento do FGTS durante a gestão do agora ex-prefeito Pedro Wosgrau (PSDB). Já outros R$ 18 milhões da dívida são referentes ao não recolhimento do FGTS entre os meses de agosto de 2015 a fevereiro de 2017, já durante a gestão de Marcelo Rangel (PPS). O PL recebeu parecer favorável das comissões internas da Casa de Leis.

Na visão do vereador George (PMN), a votação representa uma derrota para o Poder Executivo. “O prefeito vai ter que rever a forma de renegociação do FGTS, não podemos continuar deixando essa dívida sempre para o próximo gestor, estamos criando uma herança negra impossível de controlar”, comentou o vereador.

Ausências

A base governista contou com a ausência de dois membros: Leli (PROS) e Pastor Ezequiel (PRB). Ambos não participaram da sessão do Legislativo e apresentaram compromissos pessoais para não comparecerem.

Problema crônico

A Justiça do Trabalho tentar encontrar uma solução para um problema histórico em Ponta Grossa: o não recolhimento do fundo de garantia de tempo de serviço (FGTS) dos servidores municipais. Com esse intuito, o magistrado Abeilar dos Santos Soares Junior, juiz auxiliar da 2ª Vara da Justiça do Trabalho de Ponta Grossa, convocou uma audiência pública para discutir o tema e buscar soluções para a questão.

Soares afirma que os casos em que funcionários da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa acionam a Justiça para cobrar o pagamento do FGTS são rotineiros. “Em 18 meses que estou trabalhando em Ponta Grossa já julguei e acompanhei inúmeros processos do tipo, podemos perceber que há algo errado”, comentou Soares.

* As imagens são do cinegrafista Cristiano Barbosa.

PUBLICIDADE

Recomendados