PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Vereadores tentam barrar na Justiça votação do FGTS

Ponta Grossa

09 de maio de 2017 15:53

Afonso Verner


Relacionadas

Muffato construirá hipermercado no Jardim Carvalho

Prefeitura retira 10 toneladas de lixo em arroios após temporais

PG registra 999 novos casos da covid nesta sexta

Stocco aciona MP sobre filas em atendimentos de Ponta Grossa
Alunos do Colégio Agrícola e Caic são premiados na OBMEP
PR reativa mais de 1,6 mil leitos de UTI e enfermarias
Restaurante Popular de PG fechará temporariamente
Foto: Imagem: Reprodução / Kauter Prado
PUBLICIDADE

Parlamentares da oposição tentam conquistar um mandado de segurança para evitar a votação do projeto de lei (PL) que prevê a renegociação da dívida do FGTS da Prefeitura

Vereadores da oposição entraram na Justiça para tentar evitar a votação do projeto de lei (PL) 99/2016 de autoria do Poder Executivo. A iniciativa prevê a renegociação de uma dívida de quase R$ 30 milhões da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) oriunda do não recolhimento do fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS) dos servidores. O pedido de mandado de segurança foi protocolado pelos advogados Pedro Ribeiro e Alexandre Ayres na tarde desta terça-feira (9).

A petição é assinada pelos vereadores Pietro Arnaud e Geraldo Stocco, ambos da Rede Sustentabilidade, George de Oliveira (PMN), Dr. Magno (PDT) e Ricardo Zampieri (SD). Na petição, os advogados lembram que o reenvio imediato da proposta por parte do prefeito Marcelo Rangel (PPS) após o plenário da Casa de Leis rejeitar um projeto com o mesmo texto fere a Constituição Federal, a Lei Orgânica do Município e o regimento interno da Casa de Leis.

Na visão dos advogados que assinam a petição, existem duas irregularidades na apresentação da matéria. A primeira delas diz respeito ao reenvio imediato do texto e a segunda seria a falha do presidente da Câmara, Sebastião Mainardes Junior (DEM), que deveria, na visão dos advogados, ter rejeitado o projeto. No entanto, tanto o Poder Executivo como o vereador Sebastião Mainardes tem posicionamentos distintos sobre a matéria.

Na petição, os advogados também anexaram um documento do Sindicato dos Servidores Municipais (SindServ) que apresenta um posicionamento contrário ao refinanciamento em 60 meses. Na visão dos sindicalistas, o refinanciamento da dívida de quase R$ 30 milhões deveria primeiro discutido com a categoria para só então ser enviado ao Legislativo Municipal. O presidente da entidade, Leovanir Martins, ressaltou que o “principal interessado” é o próprio servidor público municipal.

No documento apresentado à Justiça, os advogados afirmam ainda que a proposta tem outro vício legal. De acordo com Pedro Ribeiro e Alexandre Ayres, as mensagens prefeiturais enviadas ao Legislativo afirmam que o refinanciamento seria realizado em 60 meses. No entanto, ainda de acordo com os advogados, os textos dos projetos de lei (tanto daquele já rejeitado como o que deverá ir a votação) não trazem referências ao período de parcelamento.

Data-base ‘esquenta’ a discussão

A tensão que envolve o refinanciamento do FGTS tem um ingrediente a mais: a data-base do funcionalismo público. Marcada para o último dia 1 de maio, a data-base ainda segue em negociação e Sindicato o Poder Executivo ainda não encontraram um ponto de consenso sobre o assunto. A gestão municipal apresentou uma proposta de reposição da inflação do período em duas parcelas, já o funcionalismo demonstrou em assembleia um encaminhamento para exigir o pagamento da inflação em uma parcela e sobre a remuneração integral, termo que leva em conta, além do salário, as funções gratificadas (FGs), por exemplo.

PUBLICIDADE

Recomendados