Jocelito Canto é condenado pela Justiça Federal

Ponta Grossa

04 de agosto de 2017 17:46

Afonso Verner


Relacionadas

Planicon traz alternativa para manter atendimentos médicos

Procon pede cautela sobre acordos de adiamento de dívidas

BRDE libera R$ 850 mi para investimentos no Paraná

Em PG, presos do ‘grupo de risco’ cumprirão pena em casa
SindServ quer adicional para servidores que atuam contra Covid-19
Cuidados com a saúde ganham reforço nas obras
PG pode contratar pessoas físicas para atendimento na Saúde
Foto: Imagem: Arquivo JM
PUBLICIDADE

O ex-prefeito de Ponta Grossa, Jocelito Canto (PSC), foi novamente condenado pela Justiça. Desta vez, Jocelito foi alvo de um processo que tramitou na Justiça Federal e a sentença, divulgada na última quinta-feira (3), prevê suspensão dos direitos políticos pelos próximos seis anos e o pagamento de uma multa referente a 10 vezes o valor recebido como salário de prefeito. Além de Jocelito, outras sete pessoas foram condenadas na decisão da magistrada Luciana Mayumi Sakuma, juíza substituta da Justiça Federal em Ponta Grossa.

O processo movido após uma denúncia do Ministério Público Federal (PMF) apresentava uma série de possíveis irregularidades na aplicação de verbas públicas enviadas pelo Governo Federal, além disso o MPF acusava o ex-prefeito do uso incorreto do erário e “violação flagrante dos princípios e lei que regem os atos da Administração Pública” na reforma do Teatro Municipal, atual Teatro PAX, e da Estação Saudade.

Procurado pela reportagem, Jocelito se mostrou tranquilo sobre o caso. O ex-prefeito de Ponta Grossa lembrou que a cassação dos direitos políticos só se confirma, de acordo com a lei da inelegibilidade, com uma decisão de órgão colegiado em segunda instância e adiantou que vai recorrer da decisão. “Estrou muito tranquilo sobre esse processo, tenho absoluta certeza que não houve dolo da máquina pública e nem prejuízo ao erário, vamos estudar a sentença e recorrer da decisão”, explicou Canto.

Atualmente filiado ao PSC e considerado uma força política relevante no cenário local e regional, o ex-prefeito não demonstrou preocupação com a possível cassação dos direitos políticos. “Até o presente momento não pretendo mais ser candidato a nada”, comentou. Canto já teve os direitos políticos cassados em outra oportunidade e ficou impedido de se candidatar a um cargo eletivo por cinco anos.

Além de Jocelito, outras 11 pessoas estão arroladas na ação como rés, entre elas representantes das empresas responsáveis pela reforma da Estação Saudade e do então Teatro Municipal, ex-secretários municipais e engenheiros civis de carreira da Prefeitura. A sentença da magistrada Luciana Mayumi Sakuma determina que os envolvidos devolvam os prejuízos causados ao cofres da união e os valores salariais recebidos nos respectivos cargos públicos.

Cabe recurso para a decisão em primeira instância da magistrada da Justiça Federal e a reportagem do portal aRede e do Jornal da Manhã não conseguiu contato com os outros réus arrolados na ação.

Ex-prefeito é tido como virtual candidato em 2018

Dono de forte representação popular, mesmo afastado da vida pública desde 2010, Jocelito Canto segue como uma figura relevante no cenário político local. O nome do ex-prefeito é tido como importante para a disputa eleitoral de 2018 e, nos bastidores, membros da Executiva Municipal do PSC buscavam fomentar a candidatura de Jocelito Canto ao cargo de deputado estadual.

 

PUBLICIDADE

Recomendados