PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara aponta ilegalidade e arquiva 'lei das faltas'

Ponta Grossa

11 de outubro de 2017 16:58

Stiven de Souza


Relacionadas

Secretária de Segurança prevê Ponta Grossa 100% monitorada

Obras de maltaria em PG terão início em março

Muffato construirá hipermercado no Jardim Carvalho

Prefeitura retira 10 toneladas de lixo em arroios após temporais
PG registra 999 novos casos da covid nesta sexta
Stocco aciona MP sobre filas em atendimentos de Ponta Grossa
Alunos do Colégio Agrícola e Caic são premiados na OBMEP
Vereadores questionam legalidade de projeto de Passos Foto: Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Os vereadores de Ponta Grossa aprovaram o parecer contrário ao projeto de lei 260/17, que aumentava o valor nos descontos salariais por faltas nas sessões da Câmara Municipal. A decisão é motivada por ilegalidades apresentadas pela Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR) à proposta do vereador Felipe Passos (PSDB). 

A discussão foi tensa e se estendeu do início, às 14h00, ao fim da sessão, às 16h20. Apesar do debate, foi praticamente consenso entre os vereadores de que o projeto estava juridicamente inviável e, por este motivo, mesmo se fosse aprovado, não teria efeitos legais. Apenas Passos insistiu na defesa da medida. 

O relator do projeto na CLJR, Geraldo Stocco (Rede), explicou que a iniciativa não poderia ser feita em projeto de lei ordinária, partindo dos vereadores, mas sim pela Mesa Executiva da Câmara. Stocco criticou ainda a articulação política feita por Passos em torno da discussão. "Existem procedimentos legais para fazer este projeto e estes procedimentos não foram cumpridos. É lamentável alguém dizer que sou contra este projeto. Isso é falta de caráter", disse. 

O projeto 260/2017 foi protocolado no dia 21 de agosto pelo vereador Felipe Passos. Na prática, a medida definia o valor dos descontos pelas faltas sem justificativa nas sessões. Para chegar a este valor, o salário dos vereadores seria divididos pelo número de sessões do mês. 

Passos, que já havia usado as redes sociais para pedir que a população fizesse pressão sobre o plenário na sessão desta quarta-feira (11), se mostrou revoltado com o parecer de Stocco. "Não queria que tivesse chegado neste nível (a discussão). É triste que um projeto tão simples de regulamentação de faltas, para dar transparência, tenha chegado a isso", disse. 

Novo projeto

O problema apontado pela CLJR e também pelo presidente da Câmara, Sebastião Mainardes (DEM), durante a discussão desta quarta-feira (11), é que a atividade legislativa é regulamentada por um Regimento Interno da Câmara. Qualquer alteração referente à frequência nas sessões só pode ser feita pela Mesa Executiva, e não por projeto de lei ordinária como pretendido por Passos. 

Para acalmar os ânimos, Mainardes garantiu que irá se reunir com a Mesa Executiva e protocolar um novo projeto. "Eu fui presidente comissão de legislação duas vezes e, logo quando foi apresentado este projeto, eu comentei que ele era inconstitucional e apresentei, imediatamente, um projeto que possa ser colocado em prática", afirmou. "Agora, com o arquivamento desta proposta, nós iremos protocolar esta medida da Mesa", completou. 

PUBLICIDADE

Recomendados