PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara de PG quer votar ‘Plano Diretor’ ainda em 2018

Ponta Grossa

19 de fevereiro de 2018 17:41

Afonso Verner


Relacionadas

União Brasil aposta em Rudolf 'Polaco' como pré-candidato

PG encaminha 15 mil pessoas para vagas de emprego

PG confirma três inscritos para a 14ª edição do Transcatarina

Parque Vila Velha recebe treinamentos corporativos
Homem bêbado furta cemitério e acaba preso em PG
Vídeo de câmera de segurança mostra execução em PG
GM prende homem que tentou dispensar sacola com drogas
PUBLICIDADE

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) retomou nesta segunda-feira (19) a agenda de sessões ordinárias. Após quase 60 dias desde a última sessão do tipo, no dia 20 dezembro de 2017, os vereadores tiveram um encontro extenso, com a formação das comissões permanentes da Casa de Leis e também da nova Comissão Parlamentar de Inquérito da Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná). O presidente da Casa de Leis, Sebastião Mainardes (DEM), também expôs as metas para 2018.

Segundo Mainardes, o objetivo é votar ainda esse ano o Plano Diretor, documento fundamental para o desenvolvimento urbano de Ponta Grossa. “O plano é composto por vários projetos de lei, estamos aguardando esses projetos que são tão importantes para o desenvolvimento da cidade, essa é uma demanda antiga que deve ser contemplada durante este ano”, afirmou o vereador.

A Prefeitura da cidade lançou em janeiro a licitação que irá definir a empresa responsável pelos serviços especializados de consultoria para a revisão do Plano Diretor (PD) e elaboração do Plano de Mobilidade Urbana (Planmob) – o investimento máximo no certame é de R$ 1,7 milhão. Questionado, o presidente da Casa de Leis também adiantou que deverá determinar normas e orientações aos vereadores diante da proximidade do pleito eleitoral.

O presidente destacou que com a possibilidade de vários vereadores participarem do pleito na condição de candidatos, é necessário expor as regras e orientações gerais de atuação na Câmara. “Durante o período de campanha, as obrigações dos vereadores não mudam em nada e a estrutura do Legislativo não pode ser usada para fazer campanha política. Vamos reforçar isso em um comunicado aos parlamentares”, disse o democrata.

Durante a primeira sessão ordinária do ano, os parlamentares compuseram as comissões fixas da Casa de Leis – tradicionalmente a Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR) é a mais concorrida. Como não houve consenso entre as lideranças partidárias, a CLJR teve a formação decidida em plenário e ficou composta por Vinícius Camargo (PMB), Dr. Zeca (PPS), Pietro Arnaud (REDE), Florenal (Podemos) e Ricardo Zampieri (SD) – os cargos internos da Comissão serão definidos em um segundo momento.

CPI foi formada em votação no plenário

Criada a pedido do vereador Geraldo Stocco (REDE), a nova CPI da Sanepar também teve os membros escolhidos nesta segunda-feira (19). Como não houve consenso entre as lideranças na indicação dos membros, a votação também foi feita em plenário – além de Stocco, mostram interesse em participar os vereadores George (PMN), Florenal (Podemos), Celso (PRTB), Guiarone (PROS), Rudolf (PPS) e Daniel Milla (PV) -  durante a votação ficaram de fora da CPI Celso e Guiarone. Os membros da CPI também deverão discutir os cargos internos nos próximos dias.

Clima tenso

Durante o pequeno expediente, período em que os vereadores usam a tribuna após a votação dos projetos, Celso Cieslak (PRTB) usou a palavra para afirmar que as formações das comissões anteriores havia sido “ilegal” por não ter sido feita em plenário. Celso foi prontamente respondido pelo presidente, Sebastião Mainardes (DEM).

PUBLICIDADE

Recomendados