PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Em PG, Bolsonaro arrasta multidão e inicia corrida eleitoral

Ponta Grossa

28 de março de 2018 20:38

Afonso Verner


Relacionadas

Casa do Artesão produz peças natalinas com novos materiais

Jovem de PG morre afogada em praia do Paraná

Adolescente ameaça a mãe e é apreendida com drogas em PG

Casa que foi palco de homicídio é incendiada em PG
Grupo aRede faz sabatina com candidatos ao pleito da OAB-PG
Câmara de PG discute criação de ‘fundo’ à Procuradoria
Prefeitura de PG reforça ações de combate à tuberculose
PUBLICIDADE

O deputado federal e presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, visitou Ponta Grossa nesta quarta-feira (28) para lançar a candidatura de Ricardo Zampieri (SD) e Professor Cunha Filho (PSL) para candidato a deputado estadual e federal, respectivamente. Em Ponta Grossa, Bolsonaro arrastou uma multidão em apoio com um ato realizado na avenida Vicente Machado ao som do hino nacional, mas também enfrentou atos de protesto

Em entrevista ao vivo ao Portal aRede, o pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) criticou a intervenção das Forças Armadas na segurança pública do Rio de Janeiro. Para Bolsonaro, a ação decretada pelo presidente Michel Temer (PMDB) foi feita sem planejamento e com fins meramente políticos. "Intervenção política, não é militar, é federal, mas foi política", disse ao jornalista do Portal aRede, Afonso Verner.

Bolsonaro apontou, ainda, falta de planejamento do Governo Federal na intervenção. "No meio do carnaval, Temer, Padilha, Moreira Franco e Raul Jungmann - que é um desarmamentista - resolveram brincar de fazer intervenção e anunciaram, na quinta-feira pós-carnaval, esta intervenção sem qualquer planejamento. Nem o Comandante do Exército ou Comando Militar do Leste sabiam que aquilo estava sendo elaborado", criticou

Para Jair Bolsonaro, Temer 'brincou' com as Forças Armadas para fazer política. "Para você fazer uma intervenção, você tem que planejar um mês, dois meses, três meses antes, arranjar meios, retaguarda jurídica, para depois implementá-la", comentou. "Tanto é verdade que muitos tipos de crimes têm aumentado, mesmo com a participação dos integrantes das Forças Armadas nas ruas. Brincou de fazer política de segurança o seu Michel Temer", concluiu. 

Aos gritos de “mito”, Bolsonaro foi acompanhado de figuras como o deputado federal Delegado Fernando Francischini e do ator (e apoiador) Alexandre Frota, além do também deputado e filho, Eduardo Bolsonaro, e do Delegado Fernando, Felipe Francischini, atualmente deputado estadual. Além disso, Jair também foi acompanhado de apoiadores e partidários do PSL no Paraná.

Na entrevista concedida ao portal aRede, Bolsonaro criticou a atual proposta de reforma previdenciária feita pelo presidente Michel Temer (PMDB). “Essa reforma aí não serve, eu já vinha falando nisso há muito tempo, disse que não seria aprovada e não tinha meu apoio. O grande problema da previdência é o setor público, essa sim tem que ser reformada. Acho que isso deveria ser feito paulatinamente”, argumentou Bolsonaro.

Outra crítica ferrenha de Bolsonaro diz respeito a reforma agrária. “Não existe reforma agrária para o agronegócio, tem que existir reforma para o pequeno agricultor. Mas não nesses moldes do MST [Movimento Sem Terra]”, disparou Bolsonaro. Jair disse ainda disse que as ações do MST deveriam ser “criminalizadas como terroristas”. “O homem do campo deveria poder repelir qualquer tipo de invasão contra a propriedade privada”, defendeu.

A visita de Bolsonaro também foi marcada por protestos. Na Praça Barão de Guaraúna, manifestantes contrários ao parlamentar se reuniram para criticar a visita e as ações de Bolsonaro. 

“Estamos crescendo em cima da verdade”, disse

Durante a entrevista, Bolsonaro disse ainda que mesmo com a pequena estrutura política e partidária, tem condições de avançar nas pesquisas. “Meu partido praticamente não tem tempo de TV e nem fundo partidário. Nós estamos crescendo em cima da verdade e o povo está vendo isso. Se o voto impresso foi totalmente implementado, acredito que levamos isso no primeiro turno”, disse o deputado.

Deputado defende liberação do porte de armas de fogo

A liberação do porte de arma de fogo é uma das principais pautas colocadas em debate por Jair Bolsonaro (PSL). Em Ponta Grossa, o deputado voltou a defender a liberação. “Antigamente não tinha esse violência que se tem ai, isso porque as pessoas podiam ter uma proteção própria. Além disso, a arma de fogo é uma garantia da liberdade do povo”, afirmou Bolsonaro.

Jair apresentou ainda o argumento de que “todas as ditaduras foram acompanhadas de campanhas desarmamentistas, como foi o caso da Venezuela e da própria Alemanha Nazista”, contou. “A questão ideológica é tão ou mais grave no Brasil. Hoje não temos mais nem paz dentro de casa, se isso acontece como você vai reagir? A arma de fogo é uma forma de persuasão”, disse Bolsonaro.

Multidão acompanhou Bolsonaro na Vicente Machado

A visita de Jair Bolsonaro ainda foi marcada por uma concentração seguida de carreata. O parlamentar se reuniu com apoiadores na Praça dos Polacos e depois desceu a avenida Vicente Machado em um carro-elétrico. Acompanhado de políticos e empresários, Bolsonaro conversou rapidamente com o público antes de partir para um evento no Clube Ponta Lagoa.

Ao som do hino nacional e com gritos em coro, a multidão desceu a Vicente Machado. No carro de som, ao lado de Fernando Francischini e Ricardo Zampieri, Bolsonaro agradeceu a acolhida. “Estou junto com o povo para mudar o Brasil, tenho andado pelo pais e dado o meu recado”, contou.

PUBLICIDADE

Recomendados