‘Serão lembrados’, diz Rangel sobre rejeição do Passe IPTU

Ponta Grossa

14 de março de 2019 17:17

Rodrigo de Souza


Relacionadas

Câmara de Ponta Grossa aprova projeto ‘Um Axé Para a Vida’

Prestes conclui obra de pavimentação em PG

Oficinas tem 1º caso de transmissão comunitária

Casos positivados sobem em PG; agora são 62
Acusado de sequestro e roubo é preso em PG
Farmácia Central passa a atender em novo horário
Perfil no Instagram auxilia mulheres vítimas de assédio
Prefeito Marcelo Rangel não escondeu o descontentamento nas redes sociais Foto: Danilo Schleder/Arquivo JM
PUBLICIDADE

Prefeito usou as redes sociais para comentar sobre o arquivamento da proposta na Câmara. “Prova de que existem pessoas que não querem trabalhar pelos mais humildes”, afirmou.

O prefeito Marcelo Rangel (PSDB) usou a conta do Twitter para se pronunciar a respeito do arquivamento do projeto de lei 01/2019, que criaria o programa ‘Passe IPTU’ em Ponta Grossa. A proposta foi recusada pelos vereadores durante a sessão de quarta-feira (13) na Câmara.

Na rede social, Rangel compartilhou uma publicação que informava o arquivamento do projeto e não escondeu o descontentamento. “Prova de que existem pessoas que não querem trabalhar pelos mais humildes. Estes que foram contra, serão lembrados pelo povo”, disse.


Na sessão da Câmara, os vereadores chegaram a derrubar o parecer contrário emitido por Jorge da Farmácia (PDT), relator do projeto de lei da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização (CFOF), com 12 votos favoráveis e 10 contrários. No entanto, na votação da proposta, ela precisaria de 16 posicionamentos favoráveis (dois terços da Câmara) para ser aprovada, mas recebeu somente 13. Com isso, acabou arquivada.

A medida tinha o objetivo de diminuir a inadimplência em relação IPTU. O programa daria uma bonificação para quem quitasse débitos atrasados no valor de até R$ 5 mil: seriam 15% revertidos em passagens do transporte público municipal. Os vereadores que recusaram a medida se embasaram na tese de que ela beneficiaria a VCG, já que a Prefeitura teria que comprar bilhetes de ônibus para destinar ao projeto.

PUBLICIDADE

Recomendados