‘Serão lembrados’, diz Rangel sobre rejeição do Passe IPTU

Ponta Grossa

14 de março de 2019 17:17

Rodrigo de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Delegado revela detalhes de investigação contra quadrilha

Moradores flagram suspeitos de furto em PG

Megaoperação desmonta quadrilha de tráfico de drogas

Rondon da UEPG atenderá 12 mil pessoas em quatro cidades
Projeto em PG atende famílias em situação de risco
Justiça Federal completa 20 anos em Ponta Grossa
Vereador pede criação de SAC para o ‘EstaR Digital’
Prefeito Marcelo Rangel não escondeu o descontentamento nas redes sociais Foto: Danilo Schleder/Arquivo JM
PUBLICIDADE

Prefeito usou as redes sociais para comentar sobre o arquivamento da proposta na Câmara. “Prova de que existem pessoas que não querem trabalhar pelos mais humildes”, afirmou.

O prefeito Marcelo Rangel (PSDB) usou a conta do Twitter para se pronunciar a respeito do arquivamento do projeto de lei 01/2019, que criaria o programa ‘Passe IPTU’ em Ponta Grossa. A proposta foi recusada pelos vereadores durante a sessão de quarta-feira (13) na Câmara.

Na rede social, Rangel compartilhou uma publicação que informava o arquivamento do projeto e não escondeu o descontentamento. “Prova de que existem pessoas que não querem trabalhar pelos mais humildes. Estes que foram contra, serão lembrados pelo povo”, disse.


Na sessão da Câmara, os vereadores chegaram a derrubar o parecer contrário emitido por Jorge da Farmácia (PDT), relator do projeto de lei da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização (CFOF), com 12 votos favoráveis e 10 contrários. No entanto, na votação da proposta, ela precisaria de 16 posicionamentos favoráveis (dois terços da Câmara) para ser aprovada, mas recebeu somente 13. Com isso, acabou arquivada.

A medida tinha o objetivo de diminuir a inadimplência em relação IPTU. O programa daria uma bonificação para quem quitasse débitos atrasados no valor de até R$ 5 mil: seriam 15% revertidos em passagens do transporte público municipal. Os vereadores que recusaram a medida se embasaram na tese de que ela beneficiaria a VCG, já que a Prefeitura teria que comprar bilhetes de ônibus para destinar ao projeto.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede