Câmara de PG discutirá nova licitação no transporte público

Ponta Grossa

11 de julho de 2019 19:17

Rodrigo de Souza


Relacionadas

Prestes Construtora reúne potenciais investidores

Grupo Muffato prepara 250 novos colaboradores, em PG

Rainha da MünchenFest tem inscrições abertas

Variedade de raças bovinas ganha destaque na Feira Paraná
Eco Parques do Brasil deve gerenciar Vila Velha
‘Vitrine da Carne’ abre nesta quarta-feira na Feira Paraná
Caminhão sem freio bloqueia rodovia em PG
Presidente da Câmara, Daniel Milla (PV) Foto: Kauter Prado/CMPG
PUBLICIDADE

Proposta de Daniel Milla (PV) encontra ‘brecha’ no contrato da VCG com o Município e prevê que novas linhas de ônibus sejam licitadas. Empresa diz que ação “não tem embasamento”.

As polêmicas envolvendo a discussão sobre o transporte urbano na Câmara de Ponta Grossa devem ganhar um novo capítulo nos próximos dias. Isso porque o presidente da Casa, Daniel Milla (PV), protocolou um projeto de lei para ‘quebrar’ o monopólio da Viação Campos Gerais (VCG) em relação ao sistema. A proposta foi apresentada durante a semana e deve ser lida na próxima sessão, de segunda-feira (15), antes de seguir para as comissões internas.

Segundo o vereador, existe uma brecha no contrato entre a VCG – concessionária que administra o transporte público municipal – e a Prefeitura que liberaria a contratação de novas empresas para assumir linhas de ônibus criadas depois de 2003, ano em que o acordo foi firmado entre as partes. Segundo o vereador, o contrato prevê somente o monopólio nas linhas já existentes antes do acordo.

“A VCG ganhou a licitação dos lotes 1 e 2 do transporte coletivo. Nas demais linhas, ela tem somente a permissão para operar, e isso não significa que uma nova licitação não possa ser aberta. Antes de apresentar o projeto eu estudei, avaliei juridicamente e percebi que algo estava errado. A lei 7.018/2013 [que rege o transporte público] é a base para fazer o edital de licitação nos dois primeiros lotes. Mas quando se cria novos lotes, novas licitações precisam ser abertas. Então exigi que o Município licite as linhas que não estão contempladas nos lotes 1 e 2”, explica o vereador.

Procurada pela reportagem do portal aRede, a VCG informou através da assessoria de imprensa que venceu um processo licitatório que previa exclusividade e que, portanto, o projeto de lei de Daniel Milla não possui qualquer embasamento jurídico que possa viabilizar a ‘quebra’ do monopólio.

O presidente da Câmara discorda da posição da empresa e, inclusive, afirmou que já conversou com o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB), sobre o tema. O líder do Executivo teria dado a palavra de que sancionaria o projeto de lei caso os demais vereadores aprovem a proposta.

O projeto contemplaria quatro novos lotes de linhas de ônibus, além dos dois atuais previstos em contrato da VCG com a Prefeitura. Caso a mudança seja aprovada, linhas importantes da cidade – como Costa Rica, Roma, Itapoá, Atenas, Londres, Panamá e Gralha Azul – deixariam de pertencer a empresa e passariam a ser administradas por quem ganhasse o processo licitatório. Segundo Milla, ainda não há um prazo para que o projeto de lei seja votado na Câmara.

Vereadores devem convocar audiências públicas

Para definir os lotes e os bairros contemplados pelas novas licitações, a Câmara de Ponta Grossa deverá realizar, segundo Milla, audiências públicas e conversas com lideranças comunitárias. O objetivo é montar um novo mapa do transporte público do município, com o apoio da população e a colaboração das comunidades, de acordo com o vereador.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede