Hospital Universitário completa um ano sem infecções urinárias

Ponta Grossa

17 de julho de 2019 11:20

Da Redação


Relacionadas

Justiça nega pedido para Edison Brittes deixar prisão

Lojista Ibrahim Ajaime morre de câncer aos 62 anos em PG

Retrogamer leva PG para uma viagem ao passado

PM flagra menino de 12 anos pilotando moto em PG
Rapaz é preso em PG após dar tapa na cara da mulher
Prestes tem um dos melhores projetos residenciais do país
Uvaranas recebe primeiro Centro de Saúde Integrado
Taxa zero de infecções é resultado de práticas de excelência e qualidade dos cuidados Foto: Reprodução/Aline Jasper
PUBLICIDADE

Resultado é relacionado à participação em um projeto do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde 

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário da UEPG comemora nesta quarta-feira (17) um ano sem infecções de trato urinário associadas a dispositivos. O resultado é relacionado à participação em um projeto do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

O coordenador da UTI, Simonei Bonatto, conta que o projeto funciona com base no reforço de rotinas, e não em grandes mudanças de procedimentos. “É um reforço de ações simples, mas indispensáveis para o controle de infecções. Por exemplo, se implementa uma discussão diária da necessidade de inserção e retirada de dispositivos invasivos”, explica.

São pequenas mudanças nas rotinas de trabalho, que trazem respostas positivas sem aumento de custos. Dentre as mudanças implementadas, destaca-se a higienização das mãos antes e depois do contato com cada paciente, a limpeza correta dos dispositivos, a verificação de todos os procedimentos por meio de um fast-checklist, a ampliação dos horários de visita dos familiares e a criação de vínculos entre os técnicos de enfermagem e pacientes. Dispositivos invasivos, como cateteres, sondas e acessos, são uma das principais “portas de entrada” de microorganismos que causam infecções. Por isso, o projeto propõe a rediscussão da necessidade de uso destes dispositivos.

“A mudança de processos traz resultados positivos e melhora a qualidade de atendimento, possibilitando que se salve vidas”, conta a enfermeira Daniele Brasil, líder do projeto no HU-UEPG e Diretora do Núcleo de Qualidade e Análise de Dados e Informações (NUIAS). Além disso, a redução das infecções diminui os custos com tratamentos e internamento prolongado dos pacientes.

A Chefe do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar (NUCIH), Joseane Quirrembach, destaca que a taxa zero de infecções é resultado de práticas de excelência e qualidade dos cuidados.

As duas Unidades de Terapia Intensiva do HU (UTI 1 e 2) têm registrado resultados positivos com as mudanças de rotina. As infecções de trato urinário estão zeradas por um ano na UTI 2 e oito meses na UTI 1. Outros dois tipos de complicações associadas à assistência em saúde relativamente comuns nas UTIs têm tido decréscimos constantes: não há registros de pneumonias associadas à Ventilação Mecânica há oito meses na UTI 1 e seis meses na UTI 2; enquanto que a infecção na corrente sanguínea associada ao uso de cateter, um dos maiores desafios do projeto, está zerada há quatro meses na UTI 1.

“Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”

O projeto “Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil” é realizado por meio do PROADI-SUS, em parceria com o Institute for Healthcare Improvement e hospitais de excelência, que atuam como orientadores (coachs). São cinco hospitais que comandam e orientam grupos de instituições (hubs), cada um com 24 hospitais participantes.

O intuito do projeto é orientar quanto às melhores práticas de cuidado com a segurança do paciente em hospitais de saúde pública. Em 3 anos (2017-2020), a meta, em âmbito nacional, é de reduzir em 50% o número de infecções relacionadas à assistência à saúde, em especial as infecções mais comuns nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI): infecção na corrente sanguínea associada ao uso de Cateter Venoso Central; pneumonia associada à ventilação mecânica; e infecção do trato urinário associada ao uso de Cateter Vesical de Demora.

O projeto está em andamento desde dezembro de 2017. Em visitas periódicas, equipes do Hospital Sírio Libanês, que orienta o projeto no HU-UEPG, avaliam resultados, conversam com a equipe e acompanham as ações.

 Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização