PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Maior entroncamento ferroviário do sul aguarda investimentos

Ponta Grossa

07 de junho de 2015 11:32

Fernando Rogala


Relacionadas

Saiba como trabalhar na Appeldorn Atacado de PG

Cursos da UEPG se destacam no 'Guia da Faculdade'

Chapa ‘Algo Novo PG’ será lançada nesta quarta

PG abre agenda da dose de reforço para acima de 70
Saiba como ganhar uma limpeza dentária de graça
Organização Irmã Sheilla realiza 'Exposição de Natal' em PG
Farra e aglomeração levam PM a bares em Vila Oficinas
PUBLICIDADE

A empresa Rumo ALL, responsável pela concessão ferroviária no Sul do Brasil (Malha Sul), pretende investir cerca de 1,9 bilhão no Paraná nos próximos cinco anos. A região dos Campos Gerais e Ponta Grossa – município que possui o maior entroncamento ferroviário do Sul do país – iriam concentrar parte dessa aplicação. A empresa, contudo, condiciona a renovação da atual concessão (que vai até 2027) para realizar esse aporte financeiro.

O vice-presidente nas operações Sul da Rumo ALL, Darlan De David, explica que esses investimentos fazem parte de um conjunto de ações que a Companhia pretende fazer para os próximos cinco anos, de aproximadamente R$ 8 bilhões, e que aguardam o processo de negociação da concessão. “Prevemos a compra de três mil vagões, 64 locomotivas novas, além de diversas execuções de melhorias das vias férreas do corredor de exportação do norte do Paraná até Paranaguá”, observa o executivo. Essas 64 locomotivas seriam para uso especialmente no Paraná, em uma aquisição que representaria aproximadamente 50% do investimento previsto para o Estado (R$ 1 bilhão). Após o aporte, a estimativa é de que haja um incremento de 60% no transporte pelos trilhos no Paraná.

A ferrovia citada pelo executivo é a ‘Central do Paraná’. Ela liga os municípios de Maringá e Londrina ao Porto, no litoral paranaense, com uma extensão total de aproximadamente 650 quilômetros, e passa por Ponta Grossa. Essa será a linha utilizada, a partir do próximo ano, para o transporte de celulose da empresa Klabin, proveniente da nova fábrica que a empresa constrói em Ortigueira – a qual pretende transportar, até o porto, 1 milhão de toneladas por ano pelo modal ferroviário. No entanto, como praticamente todas as linhas existentes no Paraná passam por Ponta Grossa (com exceção, basicamente, das cargas provenientes de Curitiba para exportação), e as novas locomotivas e vagões passarão pelos ramais que passam por Ponta Grossa, a região será diretamente beneficiada com o aporte.

Em nota ao Jornal da Manhã, a assessoria de imprensa do grupo confirmou que ‘boa parte dos recursos previstos para os investimentos devem ser aplicados na região’. O interesse em investir nas vias, tem como objetivo buscar maior eficiência operacional e, consequentemente, ampliar o volume transportado. Há, também, o interesse de investimento na sinuosa linha entre Cascavel e Ponta Grossa, para reduzir o tempo de transporte. Para este ano, o grupo confirmou investir R$ 15 milhões na região do Porto de Paranaguá.

demanda logística
Investimentos nas ferrovias estão entre as prioridades no PR
Os investimentos em ferrovias são apontados como umas das principais necessidades logísticas do Paraná. Obras de melhoria, reativação e ampliação da capacidade, com atenção ao novo trecho de Engenheiro Bley a Paranaguá, e aproveitamento da linha Arapoti a Ponta Grossa estão entre as reivindicações de entidades e empresários no Plano Estadual de Logística e Transportes do Paraná (PELT 2035), que será entregue aos governos estadual e federal. Mesmo o transporte ferroviário sendo mais barato, atualmente cerca de 60% do transporte de grãos até o Porto de Paranaguá é feito por rodovias.

PUBLICIDADE

Recomendados

POLÍTICA NA REDE - 26/10/2021 14:40h

O racha no PSOL em Ponta Grossa

Membros do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) tornaram públicas suas divergências na cidade. Ente...