Morte de psicóloga foi premeditada e contou com tortura

Ponta Grossa

06 de novembro de 2019 08:14

Afonso Verner


Relacionadas

Motoristas se unem para apagar incêndio em veículo em PG

Destaque da Rede Massa estreia novo quadro

Sobe número de mortes causadas pela Covid em PG

PG tem madrugada tranquila no ‘Toque de Recolher’
Inglês na pós de odontologia incentiva globalização da UEPG
John Elvis deve ser candidato a vereador em 2020
PG ganha caminhão para fechar buracos nos bairros
Andre e Micheli estavam separados; ele teria premeditado e plenajado a morte da psicóloga Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Polícia prendeu comparsa que participou do crime. Vítima foi torturada na frente da própria filha

A Polícia Civil prendeu na noite desta terça-feira (5) outro envolvido na morte da psicóloga Micheli Kobelnik registrada em Ivaí, município na região dos Campos Gerais. O novo preso foi identificado até o momento apenas como Wesley e foi preso na região de Uvaranas - ele teria auxiliado Andre Luis Perrinchelli Cavalheiro, ex-companheiro da vítima, a executar o crime. Wesley deverá ser apresentado na 13ª Subdivisão Policial ainda na manhã desta quarta-feira (6).

Segundo o delegado Luiz Gustavo Timossi, responsável pelas investigações, Wesley confessou a participação no crime que foi premeditado e contou com tortura contra a vítima. Timossi explicou que, já no começo das investigações, a Polícia desconfiava da participação de uma terceira pessoa. As diligências levaram a Wesley que foi detido após ter a prisão temporária autorizada pela Justiça.

De acordo com o delegado, Wesley teria sido contratado uma semana antes do crime por R$ 1,5 mil para participar do assassinato. “A Justiça decretou a prisão temporária dele e ele [Wesley] acabou confessando a participação no crime”, contou. Luiz Gustavo explicou que Wesley estava na casa antes do crime e ‘aguardava’ o sinal de Andre para entrar na residência e participar do assassinato.

“Apuramos que a vítima foi amarrada e torturada com ácido, inclusive na frente da própria filha do casal enquanto implorava para que eles [Andre e Wesley] parassem”, explicou o delegado. Logo após o assassinato, Andre e Wesley fugiram de Ivaí para Ponta Grossa, deixando a criança na casa de uma tia do casal e seguindo, em um carro de aplicativo, para a região de Uvaranas - Andre foi encontrado morto em um hotel do bairro após cometer suicídio. 

Recompensa financeira

Wesley teria recebido efetivamente R$ 1,2 mil por participar da morte de Micheli - ele teria conhecido Andre há cerca de três anos quando trabalhou para o ex-companheiro de Micheli. “Ele [Wesley] deve ser indiciado por homicídio triplamente qualificado, levando em conta o feminicídio, a promessa de recompensa e a tortura da vítima”, contou Luiz Gustavo. Segundo o delegado, Wesley não tem passagens pela polícia. 

Crime chocou a região

Cometido no final de outubro, o crime contra Micheli chocou a região dos Campos Gerais. Após matar a ex-companheira, Andre ainda usou as redes sociais para denegrir a vítima - ele já havia sido preso por agredir a psicóloga em 2018.

PUBLICIDADE

Recomendados