Justiça acata pedido de Aliel e tarifa deve voltar a R$ 3,80

Ponta Grossa

08 de novembro de 2019 17:41

Afonso Verner


Relacionadas

Homem é encontrado morto dentro de residência em PG

Polícia Civil encontra assaltante foragido da Justiça

Projeto de extensão da UEPG forma Educadores Sociais

Audiência pública discutirá Tarifa Zero na Acipg
Lideranças pedem debate mais amplo sobre Tarifa Zero
“Pagamento será facultativo”, diz Rangel sobre Tarifa Zero
Campo Experimental possibilita pesquisas geotécnicas na UEPG
Foto: Imagem: Divulgação
PUBLICIDADE

Em vídeo nas redes sociais, deputado federal informou sobre a decisão do Poder Judiciário. Batalha na Justiça vem desde 2017

A Juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa, Luciana Virmond Cesar, atendeu hoje a  ação proposta pelo deputado federal Aliel Machado (PSB) e concedeu uma liminar anulando o Decreto no 16.425 de 2019, do Prefeito Marcelo Rangel. O decreto havia autorizado o reajuste da tarifa do ônibus a R$ 4,30, ainda em setembro de 2019. Com a decisão o valor da tarifa volta a R$ 3.80.

Após ter suspendido o aumento de 2017 (em decisão cujos efeitos práticos ainda são discutidos), a magistrada decidiu sustar o aumento de 2019 até o cumprimento, pela Prefeitura e pela Viação Campos Gerais, das recomendações feitas pelo TCE-PR no relatório de fiscalização nº 106/2018 – CAUD, que se relacionam e interferem no cálculo do valor da tarifa.

Entre as falhas apontadas pelo Tribunal de Contas e por Aliel, e acolhidas pela Juíza, estão a falta de estrutura adequada para o acompanhamento da execução contratual, sobretudo no que diz respeito à utilização de Tecnologia da Informação em Centro de Controle de Operações, pouco controle sobre capital imobilizado, além de necessárias reformas nos terminais visando à adequação às normas de acessibilidade, entre outras. 

Em caso de descumprimento das obrigações fixadas, os réus incidirão em multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais) para cada um, VCG e Município. 

Prazo do processo

Chamou a atenção da Magistrada o fato de que a Prefeitura foi intimada para, em 20 dias úteis, juntar toda a documentação técnica que fundamentou o aumento, porém, no último dia de prazo, limitou-se a pedir prorrogação. Para a Dra. Luciana Virmond, o Município réu demonstrou “ausência de interesse no cumprimento da determinação de juntada dos documentos, o que reforçou a alegada falta de transparência no processo”.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização