Câmara de PG só vota ‘tarifa zero’ no ano que vem

Ponta Grossa

13 de dezembro de 2019 10:57

Da Redação


Relacionadas

Planicon traz alternativa para manter atendimentos médicos

Procon pede cautela sobre acordos de adiamento de dívidas

BRDE libera R$ 850 mi para investimentos no Paraná

Em PG, presos do ‘grupo de risco’ cumprirão pena em casa
SindServ quer adicional para servidores que atuam contra Covid-19
Cuidados com a saúde ganham reforço nas obras
PG pode contratar pessoas físicas para atendimento na Saúde
Anúncio foi feito após reunião na Acipg na manhã desta sexta-feira Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Presidente do Legislativo, vereador Daniel Milla (PV), confirmou que só colocará o projeto para ser votado a partir de 2020 para que ele seja analisado

O vereador Daniel Milla (PV), presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa, e o líder do governo na Casa de Leis, Rudolf Polaco (PSD), anunciaram nesta manhã que o projeto de lei do Tarifa Zero não entrará em votação em 2019. A decisão foi tomada na reunião realizada na manhã desta sexta-feira (13) na Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (Acipg). Com a decisão de votar o PL apenas no ano que vem, o Tarifa Zero só poderá ser implantado na cidade a partir de 2021.

De acordo com Milla, a decisão de não votar o PL neste ano foi tomada levando em conta as muitas dúvidas que pairam sobre o tema. Além da reunião, uma audiência pública foi marcada para as 19h desta sexta, também na Acipg, para debater a questão. O objetivo é sanar dúvidas em relação à proposta, de autoria da Prefeitura de Ponta Grossa e que pretende criar uma taxa junto aos empresários para custear o sistema de transporte municipal – um valor de R$ 121,66 seria cobrado por funcionário cadastrado na empresa, de acordo com o projeto protocolado na Câmara na quarta-feira (11).

O encontro foi convocado pelo vereador Pietro Arnaud (Rede) e deve contar com empresários locais e autoridades políticas – entre os confirmados estão o deputado federal Aliel Machado (Rede) e o ex-deputado Marcio Pauliki (SD).

PUBLICIDADE

Recomendados