PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

“Ela é assassina”, diz irmão de professor morto sobre ex

Ponta Grossa

21 de dezembro de 2019 10:15

Da Redação


Relacionadas

Programa Feira Verde inicia calendário 2021

PG pode levar mais de 2 anos para vacinar 70% da população

Número de passageiros caiu 35% no transporte coletivo

Prefeitura de PG sanitiza pontos de circulação da cidade
‘Sadi do Paraguaizinho’ morre aos 67 anos
Operação em PG encontra dois estabelecimentos abertos
Acidente envolve caminhão de empresa e veículo em PG
PUBLICIDADE

Patrícia Bruning Machenho, ex-esposa de Lucas Ferreira de Oliveira, teve a prisão provisória decretada no final da tarde desta sexta-feira

Vinícius de Oliveira, irmão do professor Lucas Ferreira de Oliveira, desaparecido desde o último domingo (15), clama por justiça. Em entrevista ao repórter Marcio Lopes, do Portal aRede, Vinicius de Oliveira mostrou sua indignação e seu desejo de ver Patrícia Bruning Machenho, a ex-esposa de Lucas Ferreira de Oliveira, presa, assim como os possíveis comparsas pelo desaparecimento do professor. “Ela é assassina. Matou meu irmão”, resume. “Ele foi emboscado na frente da casa dela, foi amarrado e morto. Ela confessou para a polícia”, reforça. Patrícia teve a prisão provisória decretada no final da tarde desta sexta-feira (20) pela justiça.

Vinicius, que mora em São Paulo, está em Ponta Grossa para acompanhar o caso do desaparecimento de seu irmão. Ele explica que Lucas veio para Ponta Grossa no último sábado (14) para ver o filho de cinco anos que tinha com Patrícia. Ele veria o filho no sábado e no domingo, e voltaria novamente para São Paulo no mesmo dia 15, deixando o filho em Ponta Grossa, com a mãe. “Ele foi levar um presente de Natal para a criança. Agora, acabou o Natal para sempre, não só meu, mas da minha família. Infelizmente, não tenho pai e não tenho mãe, porque morreram cedo, e agora um monstro desse mata meu irmão”, acrescenta Vinicius.

Como explica Vinicius, Patrícia e Lucas foram casados por nove anos, até 2015, quando houve a separação. Depois dessa separação, Lucas foi à justiça. “Desde o começo ela dificultou de ver o filho. Não queria que ele visse. Depois, a juíza deu uma liminar que ele poderia tirar a criança de casa. Na primeira vez, ela saiu com a criança, viajou com a criança, tem até boletim de ocorrência. Tem também boletim de ocorrência de ameaça da família, dela lavrado aqui também”, completou o irmão da vítima.

O advogado de Vinicius chega a Ponta Grossa neste sábado. Ele quer tirar a guarda do sobrinho de Patrícia. E tudo o que mais quer é justiça. O delegado Jairo Luiz Duarte de Camargo, da 13ª SDP, responsável pelas investigações, reconheceu que há outros dois homens envolvidos no desaparecimento, os quais estão com a prisão decretada.  “Que a polícia de Ponta Grossa, os juízes, a promotoria, condenem um monstro desse. E que pegue os outros dois bandidos que são foragidos e paguem, que fiquem o resto da vida presos. Que faz monstruosidade dessa tem que ser preso”, conclui.

 

Investigações e busca

A Polícia Civil está seguindo com as investigações do caso neste sábado. Logo pela manhã, uma equipe foi deslocada em um dos locais onde o corpo de Lucas teria sido jogado, próximo à Chácara dos Comerciários, no bairro Colônia Dona Luiza. Um dos suspeitos de envolvimento na morte do professor também deverá se apresentar ainda neste sábado (21) na delegacia. 

O Portal aRede continua acompanhando o caso. Mais informações em breve.

PUBLICIDADE

Recomendados