CCR vai à Justiça para participar de licitações

Ponta Grossa

13 de janeiro de 2020 18:02

Afonso Verner


Relacionadas

PM encontra carro abandonado na região do Contorno

AMTT inicia concessão de benefícios para estudantes

Álvaro Góes é convidado para se filiar ao Avante

PG muda lei que rege transporte de alunos especiais
Carro ‘agarra’ barranco após batida em rotatória
Rudolf quer transformar Praça da Catedral em centro gastronômico
'Choque' fecha ponto de tráfico na Coronel Claudio
Foto: Imagem: Divulgação
PUBLICIDADE

Decisão da Controladoria do Estado (CGE-PR) impede concessionária de participar de contratos e concessões

A concessionária CCR RodoNorte, empresa responsável pela gestão de diversas rodovias no Paraná, recorreu à Justiça contra a decisão da Controladoria do Estado do Paraná (CGE-PR) que impede a CCR de participar de novas licitações ou celebrar novos contratos. O Diário Oficial do Estado, na edição desta segunda-feira (13), trouxe a informação de que a CCR ingressou com um pedido na Justiça para que a decisão da Controladoria seja revista. 

A Controladoria determinou, em caráter cautelar, a suspensão temporária do direito da Companhia de participar de novas licitações e celebrar novos contratos com a Administração Pública do Estado do Paraná. “A RodoNorte adotará as medidas judiciais cabíveis, uma vez que, em seu entendimento, a Resolução CGE/PR fere a legislação aplicável”, disse a empresa através da assessoria de imprensa. 

A resolução da CGE que suspendeu a participação de três concessionárias em licitações e, segundo o órgão, a ação tem o objetivo de “preservar os recursos do Estado e a idoneidade em futuros contratos”. Além da RodoNorte, a Ecovia e Ecocataratas também foram atingidas pela decisão da Controladoria. 

O controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, explicou que a decisão foi tomada depois de análise do caso concreto e de outros elementos e fundamentos. “Nós nos baseamos no reconhecimento da prática de fraude por parte das empresas, na inexecução do contrato de concessão e nos elementos trazidos pelo processo de investigação preliminar, feito pela equipe da CGE”, disse Siqueira. 

A decisão é temporária e de âmbito estadual. No fim do processo administrativo de responsabilização em curso, ela poderá ser confirmada dentro dos limites das leis Anticorrupção e Lei de Licitações, ou deixa de ter efeitos. As três empresas firmaram acordo de leniência com o Ministério Público Federal, em que admitiram irregularidades, mas seguem sob investigação de responsabilidades pela CGE.

“O Estado precisa ter segurança de integridade e ética, na relação com as empresas que vier a contratar. Até o momento, os elementos que essas empresas trouxeram durante o processo de investigação preliminar foram frágeis e vazios para que pudéssemos ter entendimento diferente que o da suspensão da participação delas em novos contratos”, esclareceu Siqueira.

Rodovias da região

Nos Campos Gerais, a CCR RodoNorte é responsável pela concessão da PR-151, que liga Ponta Grossa a Castro, Carambeí, Piraí do Sul e Jaguariaíva. Além de também ser responsável pela BR-376, a Rodovia do Café, que leva a Curitiba e por trechos da BR-376, que corta o Estado.

Governo aposta no ‘compliance’

A decisão segue princípios de compliance, que tem sua base na análise da matriz de riscos. Foi esse estudo, conforme o controlador-geral, que mapeou riscos à reputação, às finanças e à administração do Estado caso essas empresas voltassem a assinar contratos com órgãos estaduais. “Uma das medidas de mitigação de risco é o afastamento dessas empresas de qualquer procedimento ou contratação com o Estado do Paraná. Essa é uma prática de integridade”, disse Siqueira.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização