PG terá usina para transformar resíduo orgânico em energia

Ponta Grossa

20 de janeiro de 2020 19:40

Da Redação


Relacionadas

Veja como fica o tempo em PG durante a semana

PG ainda tem disponíveis 3 mil vacinas contra a gripe

Veja quais são os novos números da covid-19 em PG

Bombeiros controlam incêndio no Santa Paula
Polícia prende homem após assalto na Carlos Cavalcanti
Polícia Militar prende trio com drogas na BR-376
Com ajuda de repórter, tucano é resgatado na Vila Marina
Com uso de capacidade máxima, processamento e queima de resíduos orgânicos pode compensar o consumo de energia em estruturas públicas. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Com uso de capacidade máxima, processamento e queima de resíduos orgânicos pode compensar o consumo de energia em estruturas públicas.

Ampliando o programa Ponta Grossa Sustentável, a Prefeitura de Ponta Grossa anunciou hoje (20) a execução do projeto para instalação de uma Usina Termoelétrica Municipal a Biogás, a partir do estudo de viabilidade técnica e econômica desenvolvido pelo Centro Internacional de Energias Renováveis-Biogás (CIBiogás). Com uso de capacidade máxima, o processamento e queima de resíduos orgânicos poderia compensar em até 30% o consumo de energia em estruturas públicas.

“Depois de um longo caminho até resolvermos completamente a questão da destinação final correta dos resíduos sólidos em Ponta Grossa, com o credenciamento de aterros privados, o Município pode agora pensar em alternativas para o tratamento desses resíduos, gerando energia e trazendo economia para a Prefeitura. A meta da administração é inaugurarmos e já produzirmos energia ainda esse ano, consolidando a usina termoelétrica municipal e chegando a capacidade total de 30 toneladas por dia”, detalha o prefeito, Marcelo Rangel.

O projeto desenvolvido pela CIBiogás, a pedido da Prefeitura, Sebrae e UTFPR, prevê implantação da usina em área no Distrito Industrial, atendendo a questões de escopo técnico, como capacidade para instalação dos biodigestores. Inicialmente, a usina trabalharia com a capacidade de processamento de 12 toneladas de resíduos orgânicos por dia, podendo ampliar até 30 toneladas. Com uma progressão de 20% de carga a cada seis meses, chegando a 30 toneladas/dia, a Prefeitura pode alcançar uma economia de aproximadamente R$ 270 mil por mês.

“Com o início do funcionamento da usina, deve ser realizada uma coleta seletiva dos grandes geradores de resíduos orgânicos e encaminhado esse material para usina. Lá, os resíduos passam por um processo de decomposição da matéria, gerando gás e, em seguida, energia elétrica. Essa eletricidade é inserida na rede e pode ser descontada do uso dos próprios públicos. Num segundo momento, também podemos trabalhar com veículos elétricos, como parte da frota da coleta seletiva”, comenta o secretário de Meio Ambiente, Paulo Barros.

Com o funcionamento da usina de biogás, a geração de energia resultante do processamento e queima de resíduos orgânicos poderia compensar completamente o uso de energia elétrica em estruturas como o Hospital da Criança João Vargas de Oliveira, Hospital Municipal Amadeu Puppi e a estrutura do Paço Municipal, por exemplo.

Participaram da coletiva representantes da empresa concessionária do serviço de limpeza urbana, integrantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, parte do secretariado municipal e representantes do poder legislativo.

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados