Hospital de Livros muda a vida de detentos na PEPG

Ponta Grossa

03 de fevereiro de 2020 13:02

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Veja qual é a agenda dos prefeituráveis em Ponta Grossa

Equipes da ala Covid do HU-UEPG recebem capacitação

Clientes de PG devem agendar atendimento na Sanepar

Pauliki pretende expandir projetos de segurança alimentar
Pride lança empreendimento com preço arrasador em PG
Edson aposta em crescimento de forma diferenciada
Azul não tem previsão de retomar voos neste ano
Projeto foi implantado como oportunidade de profissionalização e remição de pena Foto: Divulgação/AEN
PUBLICIDADE

Somente no ano passado, foram restaurados mais de 1,8 mil livros pelos 47 restauradores da Penitenciária Estadual de Ponta Grossa

Conhecido como Hospital de Livros, o setor de recuperação de publicações, instalado na Penitenciária Estadual de Ponta Grossa (PEPG), já recuperou cerca de 6 mil exemplares de bibliotecas penais, escolas municipais e do Instituto Pegaí – Leitura Grátis. Além das restaurações, o projeto também já ilustrou e imprimiu alguns cordéis, recebeu prêmio de boas práticas e tem mudado a vida de detentos da unidade.

Com o objetivo de proporcionar aos presos uma oportunidade de profissionalização e remição de pena, o Hospital de Livros restaura exemplares danificados e os disponibiliza novamente à comunidade. “O projeto também tem a finalidade de recuperar obras literárias, muitas vezes abandonadas e destruídas pelo desgaste natural ou pela má utilização”, destaca o vice-diretor da PEPG, William Daniel de Lima Ribas.

O canteiro foi implantado em junho de 2016, após a realização de uma oficina de restauração, que, na época, formou sete presos. “Funcionou inicialmente apenas como apoio ao Projeto Pegaí - Leitura Grátis, mas tem se estendido para apoiar outras Instituições e outros projetos”, afirmou Ribas. Hoje, já são 47 restauradores e, somente no ano de 2019, foram restaurados 1.835 livros e produzidos 886 cordéis.

Ainda em 2016, os presos receberam a missão de ilustrar o primeiro cordel, de autoria do escritor pernambucano Josué Limeira. Mais de mil exemplares da obra foram impressos na própria unidade. Outras duas obras do mesmo tipo também estão sendo confeccionadas no Hospital de Livros. “O Cordel, aliás, foi criado com o objetivo de divulgar o projeto todo”, contou Ribas.

Restauração

Os livros, segundo o vice-diretor da unidade, chegam ao Hospital com os mais diversos problemas e, muitas vezes, precisam, inclusive, de uma nova capa. “Quando não é possível a recuperação da capa original, o livro ganha uma nova, desenhada pelos presos do canteiro, que, para fazer a ilustração, precisam ler o conteúdo e conhecer a história, o que estende o acesso à cultura”, afirma.

Segundo o vice-diretor da PEPG, para viabilizar o projeto, logo no início, o Instituo Pegaí disponibilizou à unidade todo o equipamento necessário para o trabalho, como papel, caneta, cola, guilhotina e prensa. No ano passado, o Sistema de Controle de Execuções Penais (Siscopen) doou computador, impressora, máquina fotográfica e outros materiais de restauração. “A ideia é que os equipamentos ajudem a aperfeiçoar o nosso sistema de restauração de livros”, explica Ribas.

Reconhecimento

Mais de 800 pessoas, entre professores e estudantes universitários da região, escritores e autoridades, já visitaram as instalações do Hospital de Livros, que também recebeu menção honrosa no 3º prêmio Boas Práticas em Gestão, promovido pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe).

Além disso, recentemente, a unidade foi convidada pela Secretaria Municipal de Educação de Ponta Grossa a expor seus trabalhos na Feira do Livro. “Isso possibilitou a divulgação do projeto para inúmeras pessoas que visitaram o estande”, destaca Ribas.

PUBLICIDADE

Recomendados