Coletivo lança ‘Histórias de um Guarani’ em escola indígena

Ponta Grossa

13 de fevereiro de 2020 21:00

Da Redação


Relacionadas

Homem de 71 anos é a 154º vítima fatal da Covid em PG

PG tem mais de 3 mil infectados em isolamento

Ação de cidadania atende 200 pessoas no Lagoa Dourada

Incêndio atinge madeireira no Distrito Industrial de PG
Evento das microcervejarias segue até domingo em PG
Jovens são detidos por desacato e perturbação de sossego
Homem é detido com 100 metros de fios de cobre em PG
A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya. Foto: Alvaro Franco da Fonseca Junior
PUBLICIDADE

A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya.

O Coletivo de Estudos e Ações Indígenas (CEAI) da Universidade Estadual de Ponta Grossa, em parceria com a comunidade da Terra Indígena de Rio d’Areia, lançou nesta segunda-feira (10), o livro Histórias de um Guarani.

De autoria de Nelson Florentino, morador da região, a obra concentra 18 contos originais, que foram escritos no período em que Nelson trabalhou com o linguista americano Robert Dooley. A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya.

O evento, sediado na Escola Estadual Indígena Arandu Miri, contou com a participação do autor e sua família. Estiveram presentes estudantes, professores e gestores da escola Arandu e também de Vera Tupã, lideranças indígenas, representantes da Câmara Municipal de Inácio Martins e demais membros da comunidade. A elaboração do material pretendeu registrar a herança cultural Guarani anteriormente repassada somente pela oralidade.

“Nós temos que relatar como era antes. Claro que a gente não vai seguir [vivendo] como antigamente, mas nós temos que contar como era nossa cultura antiga para saber como a gente era”, defende o autor. Segundo a professora de língua Guarani e filha de Nelson, Sara Katu Gonçalves, “esse livro foi muito esperado. São histórias que você tem que ler com amor. Eu tenho gosto pela leitura e é isso que temos que mostrar para as crianças”.

Para Elisete Yva Florentino, também filha do autor, o livro é uma herança do pai: “Não uma herança de dinheiro, mas uma herança de sabedoria que a gente vai passar para os nossos filhos e eles vão passar para os filhos deles. Vai ficar para todos os indígenas”, afirma.

Ressaltando a importância da universidade como promotora de iniciativas como esta, o professor da Escola Estadual Indígena Vera Tupã, Oséias Poty Miri Florentino, destaca sua alegria em observar os resultados: “eu fico muito feliz pelas universidades estarem mais próximas e fazer esse tipo de trabalho. A gente espera mais ações voltadas às comunidades indígenas nesse sentido”.

Trilíngue, a coletânea possui todos os textos originais em Guarani, com versões em português, e espanhol. A professora do departamento de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa (DEEL/UEPG), Ligia Paula Couto, foi responsável pela tradução para língua espanhola.

Organizado pela professora Letícia Fraga, também docente do DEEL, e com ilustrações do professor Álvaro Franco da Fonseca Junior (SEED), a publicação foi financiada pelo CNPq, bem como através de um site para arrecadações coletivas.

Ao todo, a obra recebeu 45 doações durante três meses em que esteve ativa. Todas as pessoas que contribuíram com alguma quantia já receberam a versão digital da obra. As cópias físicas serão distribuídas gratuitamente a escolas indígenas do estado do Paraná.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados