Coletivo lança ‘Histórias de um Guarani’ em escola indígena

Ponta Grossa

13 de fevereiro de 2020 21:00

Da Redação


Relacionadas

Em PG, carro é atingido e arrastado por trem

Bloco dos Polacos leva centena de pessoas para praça de PG

Motorista é preso ao tentar subornar equipe da Romu

Briga entre vizinhos termina com casa incendiada em PG
Idosa morta pelo sobrinho será sepultada domingo
Homem baleado em bar de PG é agente penitenciário
Prestes lançará R$ 470 mi em novos projetos em 2020
A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya. Foto: Alvaro Franco da Fonseca Junior
PUBLICIDADE

A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya.

O Coletivo de Estudos e Ações Indígenas (CEAI) da Universidade Estadual de Ponta Grossa, em parceria com a comunidade da Terra Indígena de Rio d’Areia, lançou nesta segunda-feira (10), o livro Histórias de um Guarani.

De autoria de Nelson Florentino, morador da região, a obra concentra 18 contos originais, que foram escritos no período em que Nelson trabalhou com o linguista americano Robert Dooley. A obra foi produzida com o intuito de registrar a cultura e a língua do povo Guarani Mbya.

O evento, sediado na Escola Estadual Indígena Arandu Miri, contou com a participação do autor e sua família. Estiveram presentes estudantes, professores e gestores da escola Arandu e também de Vera Tupã, lideranças indígenas, representantes da Câmara Municipal de Inácio Martins e demais membros da comunidade. A elaboração do material pretendeu registrar a herança cultural Guarani anteriormente repassada somente pela oralidade.

“Nós temos que relatar como era antes. Claro que a gente não vai seguir [vivendo] como antigamente, mas nós temos que contar como era nossa cultura antiga para saber como a gente era”, defende o autor. Segundo a professora de língua Guarani e filha de Nelson, Sara Katu Gonçalves, “esse livro foi muito esperado. São histórias que você tem que ler com amor. Eu tenho gosto pela leitura e é isso que temos que mostrar para as crianças”.

Para Elisete Yva Florentino, também filha do autor, o livro é uma herança do pai: “Não uma herança de dinheiro, mas uma herança de sabedoria que a gente vai passar para os nossos filhos e eles vão passar para os filhos deles. Vai ficar para todos os indígenas”, afirma.

Ressaltando a importância da universidade como promotora de iniciativas como esta, o professor da Escola Estadual Indígena Vera Tupã, Oséias Poty Miri Florentino, destaca sua alegria em observar os resultados: “eu fico muito feliz pelas universidades estarem mais próximas e fazer esse tipo de trabalho. A gente espera mais ações voltadas às comunidades indígenas nesse sentido”.

Trilíngue, a coletânea possui todos os textos originais em Guarani, com versões em português, e espanhol. A professora do departamento de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa (DEEL/UEPG), Ligia Paula Couto, foi responsável pela tradução para língua espanhola.

Organizado pela professora Letícia Fraga, também docente do DEEL, e com ilustrações do professor Álvaro Franco da Fonseca Junior (SEED), a publicação foi financiada pelo CNPq, bem como através de um site para arrecadações coletivas.

Ao todo, a obra recebeu 45 doações durante três meses em que esteve ativa. Todas as pessoas que contribuíram com alguma quantia já receberam a versão digital da obra. As cópias físicas serão distribuídas gratuitamente a escolas indígenas do estado do Paraná.

Com informações da Assessoria de Imprensa

-->
PUBLICIDADE

Recomendados